A 1ª Promotoria de Justiça de Proteção ao Patrimônio Público de Curitiba, a pedido de uma ação pública do Ministério Público do Paraná, determinou o bloqueio de bens de uma ex-vereadora de Curitiba e de seu companheiro, no valor de R$ 1.141.192,56.

A ação foi ajuizada nesta terça-feira (19) e aponta diversos atos ilícitos que teriam sido cometidos pela então vereadora, com a ajuda do seu companheiro, como a contratação de funcionário “fantasma” e a prática de “rachadinha”. As investigações apontaram ainda que o companheiro da ex-parlamentar, sem ser servidor da Câmara, teria exercido na prática a função de chefe de gabinete.

LEIA TAMBÉM:

>> Uber lança corridas de moto em Curitiba; viagem sai até pela metade do preço

>> Preço do botijão de gás de cozinha varia de R$ 89 a R$ 107 em Curitiba. Veja os valores em cada bairro

Segundo investigação, a ex-vereadora teria ameaçado assessores de exoneração caso não participassem da “rachadinha”, chegando a fazer reuniões nas quais – aproveitando-se do fato de ser guarda municipal e ter porte de arma – teria colocado um revólver sobre a mesa como gesto intimidatório.

A então vereadora chegou a ser presa pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do MPPR, e responde também por processo penal pela possível prática dos crimes de concussão e peculato.

Na ação civil pública que gerou a decisão liminar de bloqueio de bens, o Ministério Público requer, no julgamento do mérito, a condenação dos requeridos às sanções previstas na Lei de Improbidade, como ressarcimento integral do dano causado ao erário, pagamento de multa, suspensão dos direitos políticos e perda da função pública.

Web Stories

Novidades!

Veja o que chega na Netflix nesta semana

Boooooo!

Halloween: veja como fazer uma abóbora, maquiagem e fantasias para a festa

Tragédia

Conheça 5 acidentes que aconteceram dentro de um set de filmagens

Pega Pega

Siqueira afirma que Timóteo é o quarto ladrão do hotel