O município da Lapa, a 70 quilômetros de Curitiba, tenta retomar um sonho antigo: o de se tornar novamente um destino do turismo ferroviário no Brasil. No último sábado, a prefeitura da Lapa e empresariado local deram início à iniciativa, com o lançamento do Museu Ferroviário da Lapa, tendo como símbolo a Maria Fumacinha, uma réplica de um exemplar construído no início dos anos 90s e que foi totalmente restaurada. Ela está instalada na avenida principal da cidade, Dr. Manoel Pedro, 2069, centro, e sempre foi um dos locais mais fotografados por turistas que visitam a cidade.

Na ocasião, foi apresentado o projeto de turismo férreo Lapa-Lavrinha, um passeio de 18 quilômetros, e inaugurada a Pousada Tropeiro, fruto de investimentos privados que possibilitaram a restauração e reestruturação da antiga Pousada da Lapa, uma construção de 1888.

O local, com 21 apartamentos, se torna a mais nova opção de hospedagem no município, com diárias que variam entre R$ 40 e R$ 90. Servirá também ao turismo de eventos, já que conta com um salão para até 100 pessoas e salas de apoio.

Divulgação
Pousada Tropeira é a mais nova opção de hospedagem na Lapa.

O município ganhou também o Lapamóvel, um veículo totalmente decorado com motivos históricos e turísticos que servirá como uma Embaixada itinerante, levando informações turístico-culturais da Lapa, inicialmente, para municípios distantes 150 quilômetros.

Passeios

Para o ferroviarista Márcio Assad, que é um dos proprietários da Pousada Tropeiro e envolvidos no projeto da retomada do turismo ferroviário na Lapa, a Campanha de Preservação da Memória Ferroviária pretende tornar realidade novamente as viagens de Maria Fumaça, que aconteciam na década de 80 e levavam turistas em um passeio entre a Lapa e Curitiba, todos os domingos. O empresário lembra que o sucesso do passeio com o chamado Trem da Lapa era tamanho que havia necessidade de distribuir senhas para os turistas.

Uma prova de que lapeanos e turistas gostariam de que o passeio seja retomado é o sucesso de uma viagem entre Curitiba e Lapa, já no ano 2000, para comemorar a restauração da estação e a conquista do tombamento da estação proposto pela ABPF-PR (Associação Brasileira de Preservação Ferroviária – Regional Paraná). “As vendas das passagens esgotaram em menos de duas horas”, destaca Márcio.

Além do passeio com a Maria Fumaça, a Lapa também era um dos destinos de um percurso feito de litorina entre cidades paranaenses e catarinenses. Ambos os passeios foram interrompidos quando a Rede Ferroviária foi privatizada, em 1997.