O contrato com o consórcio responsável pelas obras do Lote 4.1 da Linha Verde Norte (BR-476) foi rescindido nesta segunda-feira (20) pela Prefeitura de Curitiba. A rescisão ocorreu, segundo a prefeitura, pelo não cumprimento do contrato por parte do Consórcio Estação Solar, formado atualmente pelas empreiteiras Vale das Pedras e Construtora Triunfo S/A. As obras nos 2,84 quilômetros do trecho deveriam ter sido finalizadas em novembro deste ano, mas menos de 20% dos serviços foram executados. 

O Lote 4.1 corresponde ao trecho entre a Estação Solar e Estação Atuba, nas proximidades da Avenida Mascarenhas de Moraes. A prefeitura vai abrir novo edital de licitação para dar continuidade às obras. Os recursos estão assegurados pela administração.

LEIA TAMBÉM:

>> Primeiro dia com novo semáforo no Trevo do Atuba, em Curitiba, é de trânsito caótico

>> Consumidores vão receber pelo Nota Paraná retorno do ICMS na hora de abastecer

Segundo a prefeitura, as obras tiveram início em 2 de dezembro de 2019. O prazo para término dos serviços era de 720 dias. Nesse período, de acordo com a Secretaria Municipal de Obras Públicas (SMOP), foram feitas mais de 95 notificações e ou intimações ao consórcio, entre elas em decorrência de atrasos. Conforme a pasta, o cenário de execução dos serviços demonstra que uma nova licitação é a forma mais rápida de concluir o trecho.

Folha de pagamento em dia 

Como informa a prefeitura, os serviços executados foram pagos em dia, tendo inclusive sido aplicado reajustes solicitados pela empresa e já formalizados. 

A informação divulgada pela administração pública é que o valor pago de serviços medidos e executados incluindo reajustes, neste contrato, foi de R$ 14.902.037,64. O saldo do contrato reajustado, que ainda deveria ser desembolsado para conclusão da obra, é de R$ 68.019.484,64.

Nova licitação 

Com a rescisão do contrato, o município segue agora com os procedimentos legais como estudo do remanescente da obra para prestação de informações junto à Caixa Econômica Federal – agente repassador dos recursos da OGU (Orçamento Geral da União) /PAC Mobilidade –, além da estruturação do novo processo de licitação das obras no trecho.

Histórico

O Lote 4.1 é o trecho geográfico final da Linha Verde – que é o sexto eixo de transporte e de integração viária de Curitiba – entre a Estação Solar e Estação Atuba, numa extensão aproximada de 2,84 km, nos limites entre Curitiba e Colombo, região metropolitana.

O consórcio Estação Solar assumiu as obras no lote 4.1 após ter sido feito o distrato com a empresa Terpasul, que foi a vencedora original do lote, com o Consórcio Estação Solar tendo ficado em segundo lugar.

O Lote 4.1 foi licitado em 24 de julho de 2018. As propostas foram abertas em 16 de agosto de 2018 e a homologação da vencedora, Terpasul, ocorreu em 30 de outubro de 2018. A ordem de serviço para a execução dos trabalhos foi assinada em 7 de novembro.

As obras tiveram início em novembro de 2018 e a previsão era que fossem entregues até o final de 2020.

Com apenas 4,16% dos serviços executados e após 144 notificações decorrentes de atrasos e inconformidades na execução da obra, foi feito o distrato com a Terpasul em agosto de 2019.

Conforme estabelece a lei, o segundo colocado, Consórcio Estação Solar, assumiu a obra do lote 4.1, tendo iniciado os trabalhos em dezembro de 2019, com o prazo de 720 dias para conclusão, que não foi cumprido pela empresa.

Nova novela

Conheça o elenco principal de “Poliana Moça”

Quanto Mais Vida, Melhor

Flavia/Guilherme se esconde no bar de Teca

Além da Ilusão

Davi pede desculpa a Isadora por tê-la beijado

Confira!

John Wick 2 e mais filmes e séries chegam nesta semana na Netflix