Por causa da alta ocupação de leitos de UTI covid-19 em Curitiba, o Sindicato dos Médicos do Paraná (Simepar) assinou acordo que permite que 80 profissionais contratados pela Fundação Estatal de Atenção à Saúde (Feas) que atuam na rede municipal de Saúde dobrem a jornada de seus plantões. Terça-feira (15), a capital bateu ocupação de 92% dos leitos de UTI exclusivos de coronavírus.

LEIA TAMBÉMPlano de vacinação contra covid-19 inclui uso da Coronavac; Veja todos os detalhes

Pelo acordo, encaminhado ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT), os médicos que atuam com pacientes com covid-19 nos hospitais do Idoso Zilda Arns, Vitória e Victor Ferreira do Amaral podem optar por plantões de 24 horas ao invés das 12 horas previstas no contrato. O aumento da carga horária será remunerado mas não é obrigatório – só os médicos que quiserem entrarão no novo sistema.

O diretor de Saúde da Feas, o médico Peterson de Souza, explica que a decisão foi tomada pelo grande volume de atendimentos de pacientes com coronavírus nas últimas semanas. Só no Hospital do Idoso Zilda Arns, onde Souza também é diretor, a ocupação das UTIs de Covid-19 não baixa de 90% nas últimas semanas. “Esse é um recurso que gostaríamos de usar para repor as escalas de plantões com o aumento de casos de covid-19”, explica Souza.

Da parte clínica, Souza enfatiza que a permanência maior do médico acompanhando o paciente traz benefícios. “A vantagem técnica é que o médico vê o paciente de manhã e segue acompanhando ao longo do dia. Ou seja, dá para ter uma linha de cuidado contínua”, aponta. “Na mudança de plantão, o médico tem que se informar das condições clínicas do paciente. Se o médico já seguir acompanhando o paciente por mais tempo, ele já sabe o que está ocorrendo e tem como prever possíveis problemas do paciente”, complementa.

Em nota, o Simepar enfatiza que a medida é excepcional justamente pelo avanço dos casos de coronavírus. “Os médicos não medem esforços para atender a população”, reforça o sindicato. “Trata-se de medida excepcional e que representa sensível contribuição dos profissionais, compensatória da falta de médicos”, conclui o Simepar.

Nesta última sexta-feira (11), os médicos concursados da Fundação Municipal de Curitiba (Feas) concordaram em dobrar a jornada de seus plantões para conseguirem dar conta do aumento da demanda em razão do aumento de casos de covid-19 em Curitiba.

Paraná tem recorde de mortes por Covid-19

Terça-feira (15), o Paraná bateu recorde de mortes por covid-19. Foram 116 óbitos, a primeira vez desde o início da pandemia, em março, que o estado ultrapassou a marca de 100 mortes em um único boletim diário da Secretaria Estadual de Saúde (Sesa). Com isso, o Paraná chega a 6.859 óbitos e 336.825 pessoas infectadas com Covid-19.