Desde sábado (10), os ônibus do transporte público de Curitiba circulam com uma lotação maior durante a pandemia de coronavírus, mas ainda não total. A lotação máxima subiu para 70% da capacidade dos veículos e de até 50% na hora do embarque em terminais.

O acréscimo de 20% foi comunicado no decreto municipal 1350 de sexta-feira (9). O decreto é o mesmo que libera o funcionamento de cinemas, teatro, museus com até 50 pessoas. A cidade está em bandeira laranja, de alerta mas com flexibilizações no protocolo de prevenção ao novo coronavírus, desde 21 de setembro.

VEJA TAMBÉM Postagem que Interbairros vai deixar de ligar terminais em Curitiba é mentira

No caso dos ônibus, a exigência que linhas expressas e linhas diretas saiam dos terminais obrigatoriamente com 50% da ocupação. Ao longo do trajeto, os ônibus não poderão ultrapassar 70%. O controle do número de passageiros será visual e feito por cobradores e motoristas, que têm câmeras para visualizar a entrada de passageiros nos veículos.

Segundo a Urbs, empresa que gerencia o transporte público de Curitiba, a frota está adequada à demanda diária de cerca de 350 mil passageiros. As linhas de maior demanda seguem operando com a tabela cheia e 100% da frota.

Desde julho, os ônibus saiam dos terminais obrigatoriamente com 30% da ocupação de passageiros e ao longo do trajeto, os ônibus não poderiam ultrapassar 50% de ocupação.

Grupo de risco

Apesar do aumento na lotação dos ônibus, passageiros dos grupos de risco (idosos, pessoas com enfermidades pré-existentes como diabetes, pressão alta, com doenças respiratórias, em tratamento de câncer, etc) só devem utilizar o sistema de transporte em caso real de necessidade e de preferência fora do horário de pico.

VIU ESSA?Restaurantes com buffet estão liberados em Curitiba, mas com restrições

Já a Coordenação da Região Metropolitana (Comec), órgão do governo estadual que administra o transporte público em 19 municípios da grande Curitiba, opera desde agosto opera no limite de 65% da lotação máxima.