“Eu estou nervosa, mas sei que meu depoimento é muito importante e nada me consola. A saudade é demais e essa dor, sem nome, me mata. Esse mundo está sem cor e um pedaço meu está enterrado. Ela era a alegria desta casa, alegria de nossas vidas. Está difícil viver”. É assim que Rosania Domingos Santos, 54 anos, mãe da youtuber e modelo Isabelly Cristine, 14 anos, morta em fevereiro deste ano, descreve o momento que vive. Uma nova audiência do caso está marcada em Paranaguá, no litoral do Paraná, para a próxima terça-feira (10), e ela será ouvida, já que era uma das ocupantes do veículo atingido por disparos de arma de fogo.

Os irmãos Cleverson e Everton Vargas, acusados de terem causado a morte de Isa, como era conhecida, foram presos ainda em flagrante e tiveram a prisão preventiva decretada pela Vara Criminal de Pontal do Paraná (MP-PR). A defesa deles chegou a pedir a revogação da prisão no final de abril, mas ela não foi concedida. Na audiência, eles estarão presentes e vão acompanhar os relatos. Testemunhas envolvidas no processo serão ouvidas, assim como aconteceu na audiência anterior, no dia 26 de junho.

“No mês passado, duas testemunhas foram ouvidas, um morador e um comerciante próximo ao local do crime. Essa audiência é muito importante porque teremos a versão dos ocupantes do carro. Tudo leva a crer que eles foram para um enfrentamento, que indicaria um assalto, que justificaria a conduta deles. Eles foram enganados pela circunstância”, explicou o advogado de defesa dos irmãos, Claudio Dalledone.

O advogado da família da youtuber, André Tavares, também considera o momento importante para esclarecimento dos fatos. Ele explica que os irmãos continuam presos no Centro de Triagem de Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC) e que eles serão ouvidos somente na última audiência, ainda sem data definida. “É um momento importante e eles permanecem presos no centro de triagem. Por enquanto a expectativa é que eles continuem presos, já que a juíza não mencionou a revogação desta prisão preventiva. Eles serão ouvidos por último, conforme determina o Código Penal”, explicou.

Isabelly levou um tiro na cabeça quando voltava de uma gravação no balneário Shangrilá em Pontal do Paraná e teve morte cerebral confirmada no Hospital Regional do Litoral no dia 15 de fevereiro deste ano. Everton é acusado de efetuar o disparo e foi denunciado pelo crime de homicídio qualificado por motivo torpe, na condição de autor, e porte ilegal de arma de fogo e munição. O irmão, Cleverson, que dirigia o veículo, foi denunciado por homicídio qualificado, também por motivo torpe, como participante, e embriaguez ao volante. Os irmãos podem cumprir pena de 12 a 30 anos de prisão em caso de condenação.

Além de Rosania, outras seis pessoas serão ouvidas na audiência desta terça-feira, entre elas quatro testemunhas de defesa dos irmãos Vargas. De acordo com Dalledone, essas quatro pessoas prometem trazer informações sobre o comportamento e o histórico de violência de Herbert Luiz de Felix, motorista que dirigia o carro em que Isabelly estava na noite em que foi morta. “São quatro mulheres que trarão informações sobre o comportamento de Herbert”, disse o advogado.

Homenagem

Com a morte da adolescente, a mãe dedica-se ao projeto da ONG que ajuda animais. Foto: Reprodução/Facebook
Com a morte da adolescente, a mãe dedica-se ao projeto da ONG que ajuda animais. Foto: Reprodução/Facebook

O brilho no olhar carregado de sonhos, os longos cabelos castanhos e o sorriso da menina-moça eram apenas algumas das características que a faziam se destacar por onde passava. Os planos começaram cedo, e cedo também foram interrompidos. Se estivesse viva, no próximo dia 10, também data da audiência, Isabelly completaria seu primeiro mês com 15 anos. Para manter seus sonhos vivos de alguma forma, a ONG “Doar Amor” – de proteção aos animais – foi lançada no dia do seu aniversário, 10 de junho. O projeto surgiu por iniciativa da mãe de Isa, que desde o dia em que a jovem partiu, prometeu que ela seria sempre lembrada e eternizada.

Em conversa com a Tribuna do Paraná, no ano passado, Isabelly e a mãe contaram que viajavam toda semana para Curitiba, onde faziam gravações com artistas em casas de shows da cidade. De família humilde, o talento da jovem se destacava principalmente por não ter tido nenhuma formação ainda. Isabelly demonstrava que o que estava fazendo era a realização de um sonho e foi assim que partiu, deixando a cidade de Paranaguá em luto.

TRF-4 manda soltar Lula ainda neste domingo