O Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRM-PR) já emitiu 35.762 declarações para pacientes da rede privada de Curitiba que possuem alguma das comorbidades que o Ministério da Saúde considera para definir o grupo prioritário na fila da vacina contra a covid-19. O número foi informado nesta quinta-feira (20) pelo CRM à Gazeta do Povo. Para saber quem deve ser vacinado agora – na fase das pessoas com comorbidades -, a prefeitura da capital exige deste público alvo um documento que está sendo emitido através do Portal do CRM.

LEIA MAIS – Ministério da Saúde inclui mais doenças na lista de comorbidades para vacinação

O documento é preenchido pelo médico, que utiliza seu login e senha de acesso ao portal, com a indicação da comorbidade que elege o paciente para a vacinação contra a covid-19. A declaração é enviada via e-mail ao paciente, que deve imprimir e levar junto na hora da vacinação, com o comprovante de endereço e documento com foto. O mesmo modelo disponibilizado pelo CRM está sendo utilizado em outras cidades do Paraná – até esta quinta-feira (20), foram 51.744 declarações emitidas em todo o estado (incluindo as 35.762 emitidas na capital).

LEIA TAMBÉMDificuldade em comprovar comorbidade acelera fila da vacinação em Curitiba

Em Curitiba, somente os pacientes da rede privada precisam apresentar tal documento. As pessoas com comorbidade atendidas pela rede pública já possuem seu histórico registrado no SUS e não precisam apresentar um documento adicional à prefeitura para serem vacinadas. Elas estão sendo alertadas que já podem receber a primeira dose pelo aplicativo “Saúde Já”, da prefeitura.

LEIA AINDA – Procura por vacina contra covid-19 em Curitiba é confundida com “agito” em bingo clandestino

A prefeitura tem feito as convocações de forma gradativa, por idade, dos 59 anos até 18 anos. Nesta sexta-feira (21), já poderão receber a primeira dose as pessoas com comorbidade que tenham 30 anos de idade ou mais. Até a noite desta quinta-feira (20), a prefeitura informava que 39.645 pessoas pertencentes ao grupo das comorbidades já se vacinaram. No plano municipal de vacinação, a prefeitura estima que o grupo tenha até 300 mil pessoas.