Dias depois de ter deixado o Ministério da Saúde, em Brasília, o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, em entrevista à rádio Difusora Pantanal de Campo Grande (MS), sua cidade natal, revelou que Curitiba é a capital mais bem preparada para enfrentar a pandemia do novo coronavírus. Mandetta comparou o sistema de saúde curitibano com a de países nórdicos da europa, como a Suécia.

“É um sistema de saúde muito bem organizado, um sistema de informática muito bem feito, um sistema de tele [telemedicina], abriu leitos. Então se você tá muito bem organizado, você consegue andar”, explicou o ex-ministro em entrevista, elogiando o sistema de saúde de Curitiba.

LEIA TAMBÉMNa contramão de projeções, Curitiba é destaque entre as capitais no combate ao coronavírus

A entrevista foi compartilhada no perfil oficial do prefeito Rafael Greca, no Facebook. Ao chamar Mandetta de brilhante médico, Greca ainda reforça que Curitiba é a cidade mais bem preparada para enfrentar a pandemia.”Conforta-se meu coração de prefeito que Curitiba possa ter priorizado a Saúde Pública com responsabilidade de todos os co-cidadãos. Nosso orçamento de saúde anual de R$ 1,7 bilhão agora está acrescido do Fundo de Emergência da Cidade de Curitiba – que criei por lei – hoje no valor de R$ 500 milhões”, comenta o prefeito.

Implantado no dia 27 de março, o serviço de videoconsulta e telemedicina em Curitiba atende diariamente 800 ligações. Primeira capital a adotar o sistema, o serviço é essencial para evitar aglomerações nas unidades de saúde e, em consequência, transmissões de covid-19. Quem tem sintomas suspeitos de coronavírus como febre, tosse e dor de garganta, pode procurar por atendimento pelo telefone (41) 3350-9000.

Organização para controle eficaz da doença

O ex-ministro Mandetta comparou a organização de Curitiba ao sistema de saúde ao de países nórdicos, como a Suécia, e também citou a Alemanha, entre os países mais bem sucedidos no controle da pandemia. “Se você tá organizado, você consegue andar. Como na Alemanha, você vai medindo. Se tá aumentando muito aqui, aí fecha um bairro ali, fecha uma área, ou ali tá melhor, eu abro essa aqui e vai fazendo esse ajuste fino. Quem não fez esse ajuste fino fez corte geral. Quem me dera se todos fossem Curitiba”, finalizou o ex-ministro.