As obras de recuperação da Rua Mateus Leme começaram trazendo dor de cabeça não apenas para quem passa pela região, mas também para a própria prefeitura. O equipamento utilizado pela Secretaria de Obras Públicas para fazer a fresagem e o recape do asfalto está parado no segundo dia dos trabalhos. Segundo funcionários que trabalham no local, ela está quebrada. Segundo a prefeitura, a máquina na verdade estaria fora dos padrões exigidos para o trabalho e, por isso, foi pedido a substituição.

O problema é que a substituição do equipamento também está prejudicado. Isso porque a chuva da madrugada teria deixado atolada a máquina reserva no pátio da empreiteira responsável pela obra, na CIC.

Como resultado, os trabalhos nem começaram nesta quinta-feira (3), menos de 24 horas após o início da troca do asfalto na Mateus Leme. Apenas um trecho de alguns poucos metros foi feito no primeiro dia de trabalho, quando o prefeito Rafael Greca (PMN) esteve na obra.

Os operários que trabalham na troca do asfalto também se queixam do planejamento da obra. Um funcionário que não quis se identificar reclamou que os horários estabelecidos apenas atrapalham os trabalhos. “Temos que começar às 9h para não atrapalhar o horário de pico. Então paramos às 11h30 para voltarmos às 13h30 e encerramos já às 16h30. Assim não vai terminar nunca”, reclama. Segundo ele, seria muito mais fácil fazer um pequeno desvio do que manter o trânsito em meia pista, o que atrapalha todo mundo.

A prefeitura afirma que a situação deve estar normalizada ainda na tarde desta quinta. De acordo com a prefeitura, o problema não deve afetar o prazo da revitalização, já que a obra está no início e os ajustes estão dentro do cronograma. A revitalização da Mateus Leme deve acabar em outubro.