Um trecho de uma quadra de um terreno que está coberto pelo mato no bairro Augusta, em Curitiba, é motivo de reclamação de dois vizinhos do local. Por causa da falta de visibilidade que oferece risco aos motoristas nas esquinas entre as ruas Maria Luiza Rossa, Santo Antônio da Platina e Eduardo Sprada, um deles já ligou na Central 156 para que seja realizada a roçada, mas até esta sexta-feira (9) não havia obtido resposta da prefeitura de Curitiba sobre o protocolo aberto. Além do risco para o trânsito de veículos, um trecho da ciclovia na Eduardo Sprada também atrapalha os ciclistas e já há reclamação de pessoas atirando lixo na área do terreno por causa da cara de abandono.

Segundo a vizinha Vera Beatriz, 52 anos, que mora na Rua Maria Luiza Rossa, em uma das frentes do terreno, o marido dela tem usado, de vez em quando, a própria roçadeira particular à gasolina para dar um jeito no matagal. “Ele acha perigoso para o trânsito e, também, com essa cara de abandono, tem até animal morto aí, que provavelmente alguém jogou. Mas não é justo que ele fique limpando e gastando com gasolina”, reclama a vizinha, destacando que a prefeitura e o dono do terreno deviam fazer jus ao sobrenome da rua onde ela mora. “Com o sobrenome Rossa, o que devia ser feito é uma boa roçada, isso sim”, diz a moradora.

Outra vizinha, a Viviane Ribeiro, 42 anos, que mora na mesma rua, também reclama do mato. “Não dá pra andar direito por ali, dá medo de bandido ou alguma coisa assim. Tá perigoso. Não se enxerga nada, nem para dirigir. É um abandono que dá até dó”, diz a moradora.

O marido da Vera Beatriz abriu um protocolo pela Central 156 no dia 2 de abril, quando percebeu que o mato só crescia, sem sinal de alguma limpeza programada. “Estamos no direito de fazer isso. Fica até sem segurança pra gente andar aqui à noite. É muito mato”, sinaliza.  

E a aí, prefeitura de Curitiba?

De acordo com a prefeitura de Curitiba, por se tratar de um terreno privado, cabe ao proprietário a limpeza e a conservação. A Secretária Municipal do Urbanismo, em nota, disse que notificou o proprietário do terreno  (processo 34-002531/2020) para a limpeza da área. “Conforme vistoria realizada no local, em outubro do ano passado, os fiscais constataram que havia sido feita a roçada tanto na parte interna quanto externa do terreno. Um novo processo para vistoria já está agendado”, diz o texto da nota. Sobre a roçada na área da ciclovia da Eduardo Sprada, a prefeitura informou que o serviço “está na programação da Regional para o início da próxima semana”.