A pandemia tem transformado muita gente, numa melhor versão de cada um. Para o artista Caio Santos, de 21 anos, MC morador da Cidade Industrial de Curitiba, a pandemia trouxe uma necessidade de ajudar o próximo de alguma forma, mesmo que pequena. “Botei lá no Insta, se alguém queria trocar uma ideia pra uma ação social”, lembra o jovem.

Dias depois, Caio e seu amigo, Vinicius Sbragia, de 22 anos, criaram o Projeto Ajude. Com ações pequenas, a dupla foi agregando mais voluntários e recebendo produtos de higiene para ajudar uma comunidade em Guaratuba, no Litoral do Estado. Foram só 30 kits, mas logo depois vieram as doações de marmitas, roupas, brinquedos, ações para o Dia das Crianças e mais e mais ajudas.

LEIA TAMBÉM:

>> Adolescente é morto por engano na região de Curitiba, antes de doar medula óssea para o pai

>> Carreta com máquinas de lavar ajudam na higiene de moradores de rua em Curitiba

Até que perto do fim do ano passado, uma ação de reintegração de posse de um terreno particular no CIC, quase divisa com Araucária, comoveu Caio. O local, ocupado ao longo de 2020, era abrigo para cerca de 311 famílias. Elas passaram a morar no local porque não tinham condições de pagar aluguel durante a pandemia.

“Começamos a fazer uma pequena ação de arrecadação. Uma coisa foi levando a outra, fomos falar com o Deputado Goura, que deu visibilidade ao projeto. Conseguimos arrecadar R$ 70 mil, que viabilizou a construção de 40 casas”, relembra Caio. A história das famílias desabrigadas e a campanha de arrecadação foi tema de reportagem na Tribuna na época.

Além da construção das casas, o projeto também conseguiu arrecadar mais de uma tonelada de alimentos para a nova comunidade, agora em um terreno no Campo Comprido. Atualmente, cerca de 100 das 311 famílias moram no novo local. “Locamos banheiros químicos por quatro meses, levamos água potável. Mas sempre pensei que poderia levar mais que doação, algo como arte e cultura”, revelou o jovem.

Evento Cultural Natal 2021

No dia 18 de dezembro, a Comunidade Nova Guaporé vai ser palco de um evento cultural. Serão quatro tipo de artes juntas: música, grafite, dança de rua e MCs. “Todos vão se apresentar voluntariamente durante o dia. Estamos juntando doações financeiras para montar a estrutura do evento e tentando levar o máximo de pessoas possíveis”, conta Caio, que junto com Vinicius, está organizando todo festival.

Para assistir aos shows, o ingresso cobrado será de um quilo de alimento não perecível, que será doado aos moradores da comunidade. “Como o estendo está sendo planejado totalmente de forma voluntária, o recurso que a gente consegue de doação está sendo usado para montar o evento. Estamos atrás da ajuda de empresas para nos ajudar”, explica o idealizador.

Para Caio, proporcionar cultura para a comunidade é tão importante quanto as doações de alimentos. “A gente pode fazer, eu sempre esperei que outras pessoas fizessem algo, o Estado, mas se ninguém faz, a gente vai e faz por nós mesmos. Todo mundo pode sonhar, uma criança pode olhar para um artista e acreditar em dias melhores”, finalizou.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por ✨ Projeto Ajude ✨ (@projetoajude__)

Como doar?

As doações físicas são retiradas pela equipe do Projeto Ajude, o contato pode ser feito pelo WhatsApp (41) 99999-9816 / (41) 98748-0411. A comunidade aceita doações de alimentos, produtos de higiene pessoal, produtos de limpeza, móveis, livros e roupas. Doações financeiras, para colaborar com o evento cultural, são recebidas via Pix pelo e-mail projeto41.ajude@gmail.com.

Web Stories

Novidades!

Filme do Elton John chega nesta semana na Netflix; confira a lista !

Promoção!

Smart TVs com descontos nesta Black Friday

Preço baixo

Onde encontrar leite, ovos e arroz mais barato em Curitiba

Malhação Sonhos

Juiz decreta a prisão provisória de Lobão