Cinco profissionais de saúde ligados à prefeitura de Curitiba foram vacinados contra a covid-19 nesta quarta-feira (20). São servidores que estão no trabalho diário e em contato com a população contaminada pelo novo covonavírus. A vacinação neste dia para eles representou a esperança de poder trabalhar com um pouco mais de tranquilidade, sem a constante preocupação dos últimos meses em passar a doença para os familiares.

+Leia mais! Vacinação em Curitiba: veja quem receberá as doses antes e em que grupo você deve estar

A primeira a ser vacinada contra a covid-19 foi a enfermeira Silvana Maria Bora, de 54 anos, que trabalha na UPA do Boa Vista. Quem aplicou a vacina foi a própria secretária de saúde Márcia Huçulak. “Fui comunicada que eu seria representante dos meus colegas. Fiquei muito feliz e espero que a vacina venha logo para todos. Coração bateu forte a noite toda”, disse a profissional que não chegou a ser infectada e que mora com a mãe idosa e que atua na urgência e emergência desde os primeiros casos de covid-19 em Curitiba, em março de 2020.

Depois, quem recebeu a vacina foi Elizabete Moraes da Silva, médica intensivista do Hospital do Idoso, em Curitiba, que atuou atuou no Hospital Vitória de junho a dezembro de 2020, exclusivamente no enfrentamento à covid-19.

Cláudia Maria dos Santos, técnica de enfermagem da US Capanema, ficou emocionada ao receber a primeira dose da Coronavac. “Gosto muito do que eu faço que hoje estou muito emocionada em ser a primeira técnica em ser vacinada. Fiquei muito preocupada na jornada em pegar essa doença e passar para os meus pais. Agora que estou imunizada não tenho mais medo”, disse a técnica de enfermagem Claudia. “Agora vai melhorar bastante, vou poder ficar perto do meu pai”, ressaltou.

O médico Igor Kazuo, que chegou a ser agredido por um paciente que teve o resultado positivo para covid-19, comemorou o dia da vacina. “Momento histórico dentro de tudo que passamos. Foi um período muito tenso, algo que jamais vivenciamos. É o início da vacinação que trará esperança e alegria muito grande. Torcemos para que tudo ocorra bem e que todos consigam imunização logo”, disse o médico à Tribuna. Sobre a agressão, Igor explicou que isto ocorreu porque o paciente que não aceitou o diagnóstico positivo. “Ele não aceitou a transferência do hospital e acabou partindo pra cima”, explicou.

Por fim, a profissional Thais Ribeiro Dessanti, que faz parte do setor de imunização e limpeza do Hospital Vitória foi vacinada. “Fiquei bem aflita e muito emocionada em ser uma das primeiras pessoas a ser vacinada. Estou com este cargo de representar a higienização. Somos tão importantes quanto os médicos e enfermeiros. Estou extremamente feliz ainda mais por ser uma das primeiras”, disse a profissional, emocionada, ao citar a filha e o legado que deixa para a história da saúde de Curitiba.

“Estou extremamente feliz ainda mais por ser uma das primeiras”, disse Thays Ribeiro.