Dois médicos acusados de fraudar processos licitatórios em Campo Largo foram proibidos pela Justiça do município de prestar qualquer tipo de serviço pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A decisão da Vara Criminal de Campo Largo atende a um pedido formulado em denúncia criminal apresentada pela 1ª Promotoria de Justiça da cidade contra sete réus.

Além dos dois médicos, o processo também envolve os ex-secretários de Saúde da gestão 2013-2016 e o prefeito da cidade nesse mesmo período, Affonso Portugal Guimarães (atualmente no PSD, mas eleito pelo PT).

De acordo com o Ministério Público, os réus fraudaram vários processos licitatórios para contratação de mão de obra de médicos pelo Município de Campo Largo. Houve dispensa irregular de licitação, com convite para que uma única empresa apresentasse proposta. A empresa é de um dos médicos e firmou contratos que geraram pagamentos de R$ 11.156.250,00.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Em depoimento, ex-diretor diz que propinas da “Quadro Negro” enriqueceram Beto Richa