Lourival Carvalho, 41 anos, e mais dois adolescentes de 17 anos foram parar na delegacia do Alto Maracanã, em Colombo, por tráfico de drogas, na manhã desta terça-feira (12). Um dos garotos foi pego com crack na cueca e, com medo, acabou contando aos policiais quem eram os outros traficantes da rua, resultando nas três detenções.

O major Hudson Teixeira, sub-comandante do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), da Polícia Militar, contou que patrulhavam pela Rua Roger Bacon, na Vila Esperança, por volta das 9h30, quando desconfiaram de um grupo de rapazes na via.

Na abordagem a um dos adolescentes, os policiais encontraram uma barra de crack, pesando cerca de 10 gramas, dentro da cueca dele. O jovem ficou com medo da prisão e acabou contando aos policiais que em outra cada da mesma rua havia mais drogas.

No residência indicada, pertencente a Lourival, quase 100 metros a frente, os policiais localizaram mais 69 pedras de crack e um caderno de anotações, com nomes de clientes, telefones e quanto cada um devia. Por pouco, os policiais não encontraram a droga, já que ela estava escondida dentro de uma lanterna.

Lourival também acabou contando aos policiais que, em outra residência vizinha, havia mais entorpecentes. Os policiais então foram à casa do outro garoto de 17 anos e, com a ajuda de um cão de faro, localizaram mais 15 gramas de crack escondidos atrás de um armário.

Na casa também foi recolhido uma balança de precisão e dois rádios comunicadores, possivelmente usados para escutar a movimentação e aproximação de viaturas policiais no bairro.

De acordo com o major, os locais onde os suspeitos foram detidos são conhecidos como “biqueiras”, ou seja, pequenos pontos de vendas de drogas, que geralmente são vários num mesmo local, rua ou beco.

Quando a droga acaba, confessaram os detidos ao policial, um motoqueiro vai até lá e reabastece as “biqueiras” com pequenas quantidades de droga cada uma, para evitar que a prisão dos pequenos traficantes resulte numa apreensão muito grande de drogas.