Ponto tradicional de compras e também de turismo, para curitibanos e visitantes, o Mercado Municipal de Curitiba completa 63 anos nesta segunda-feira (2). Como presente, o município prepara uma revitalização da região, com direito a um boulevard com paisagismo, passeio e mesas externas e outras intervenções urbanas que fazem parte do projeto Caminhar Melhor.

LEIA TAMBÉM:

Escolas e Cmeis de Curitiba voltam às aulas de forma híbrida. Veja como vai ser!

> Curitiba tem primeira cirurgia do mundo contra a Diabetes tipo 2 feita por meio de um robô

> Curitiba tenta, pela terceira vez, licitar bicicletários. Agora com novidades!

Programa obrigatório na capital, o Mercado Municipal recebe, anualmente, 3,3 milhões de pessoas em busca de hortifrutigranjeiros, cereais, carnes, peixes, especiarias e pratos de todas as partes do mundo. O espaço, vinculado à Secretaria Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional (SMSAN), ocupa uma área de 16,8 mil metros quadrados e reúne 362 unidades comerciais, entre boxes e bancas, comandados por 196 comerciantes, que vendem mais de 72 mil itens.

Considerado serviço essencial, o Mercado Municipal funcionou mesmo durante os momentos mais críticos da pandemia para garantir alimentação à população da capital. O local adotou medidas para reduzir a chance de contágio da covid-19, como oferta de álcool em gel, uso obrigatório de máscara e reforço de informações sobre prevenções e cuidados.

Veja imagens do projeto de revitalização

Pioneirismo

“São décadas de história e de vidas que se entrelaçam no Mercado Municipal, ligando frequentadores, comerciantes e trabalhadores”, destaca o secretário municipal de segurança alimentar e nutricional, Luiz Gusi. Ele lembra que, em 63 anos de existência, o espaço passou por reformas e ampliações. Ganhou o primeiro setor de orgânicos do país, referência nacional, a nova entrada da Avenida Sete de Setembro, a ampliação da praça de alimentação, as primeiras salas de manipulação de alimentos do mundo em um mercado e, já na gestão do prefeito Rafael Greca, a revitalização da fachada da rua General Carneiro.

Cleverson Schilipacke, presidente Associação dos Comerciantes Estabelecidos no Mercado Municipal de Curitiba (Ascesme), reforça que o espaço é um ponto de encontro dos curitibanos e programa obrigatório de quem vem a Curitiba. “O Mercado Municipal é um local onde reúne pessoas de várias regiões do país, não só aqui da nossa cidade, então traz muito valor para o município. “Com uma variedade muito grande de produtos, o curitibano faz questão de trazer um amigo, um parente de fora para conhecer. São vários gostos, sabores, aromas reunidos em um só local”, acrescenta ele. 

Cleverson Schilipacke, presidente Associação dos Comerciantes Estabelecidos no Mercado Municipal de Curitiba (Ascesme). Foto: Luiz Costa/SMCS

Boulevard

Para o Mercado Municipal, a gestão do prefeito Rafael Greca promete como legado a transformação dos passeios no entorno do local em um grande boulevard, dando prioridade aos pedestres e aos deslocamentos não motorizados. O projeto prevê a revitalização de uma área de dez quadras em torno do Mercado Municipal. 

A intenção é que as pessoas utilizem o espaço público não apenas como local de passagem, mas de encontro e permanência. O projeto contemplará a valorização do espaço público, com a melhoria da paisagem urbana, da segurança nos deslocamentos e com a criação de novas conexões cicloviárias e de favorecimento à caminhabilidade.

As intervenções fazem parte do projeto Caminhar Melhor, que conta com R$ 40 milhões para investimentos em novas calçadas e em estrutura cicloviária, com recursos do Finisa, o Programa de Financiamento para Infraestrutura e Saneamento da Caixa Econômica Federal.

O Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc) já concluiu o anteprojeto para a área e os projetos executivos de paisagismo, iluminação, drenagem e de pavimentação estão sendo feitos. A previsão é que os projetos de engenharia sejam concluídos no segundo semestre de 2021 e as obras iniciadas em 2022.


Cinco curiosidades sobre o Mercado Municipal

Mercado Municipal de Curitiba Foto: Luiz Costa/SMCS

1. O Mercado Municipal foi construído entre 1956 e 1958, projetado por um jovem engenheiro na época, o ex-prefeito de Curitiba Saul Raiz, hoje com 91 anos. A construção foi autorizada, em 1954, pelo então prefeito do município, o ex-governador e ex-ministro Ney Braga (1917-2000).

2. A primeira sede do Mercado Municipal ficava na atual Praça Zacarias e surgiu em 1860. Naquela época, o espaço era popularmente chamado de Mercado dos Quartinhos. A segunda “casa” foi construída no Largo da Cadeia, atual Praça Generoso Marques, em 1874. Em 1914, essa sede foi demolida para dar lugar ao Paço Municipal. Então, o mercado funcionou no Batel, de 1915 a 1937, quando foi demolido. Ele ficava onde é hoje a Praça Theodoro Bayma. Só em 1943, o urbanista francês Alfred Agache apresentou o Plano Agache, que propôs a construção de um novo Mercado Municipal, na sede atual. 

3. O Mercado Municipal tem entradas pelas ruas da Paz e General Carneiro e avenidas Sete de Setembro e Presidente Affonso Camargo. No total, há 17 acessos distribuídos em seus quatro lados e dois andares.

4. Os frequentadores do Mercado Municipal podem conferir pratos nos inúmeros restaurantes que são referências gastronômicas de Curitiba. O espaço da Prefeitura  já foi destaque no programa “Mais Você”, da Globo.

5. O Mercado Municipal conta com o primeiro Setor de Orgânicos do Brasil, inaugurado em 2009, com ampla oferta de produtos livres de agrotóxicos e aditivos químicos, além de um restaurante, um café e uma lanchonete.