A pandemia de coronavírus impactou a economia brasileira de forma brusca, afetando a economia de diversos setores, entre eles turismo e hotelaria, indústria e varejo. Por outro lado, áreas como saúde, tecnologia da informação (TI), logística relacionada ao agronegócio e supermercados têm contrariado a crise e seguem contratando profissionais.

Segundo a Employer, empresa nacional de soluções de Recursos Humanos (RH) e tecnologia, enquanto os setores mais afetados pela covid-19 apresentaram queda de 39% na oferta de empregos, os que se mantiveram quentes chegaram a crescer 4%. A procura por soluções em contratação on-line e por ferramentas de controle de jornada de trabalho em casa também subiu nessas áreas. A tendência é nacional, mas os números têm se comportado assim em quase todas as regiões brasileiras.

LEIA TAMBÉMPolloShop fecha suas portas após 25 anos de atividades em Curitiba

Em Curitiba e região, por exemplo, a rede de supermercados Condor Super Center contratou 1.144 novos colaboradores entre os dias 1º e 16 de março. Segundo a assessoria, as vagas foram para diversos setores dentro da rede. São vagas para operadores de loja, auxiliares de perecíveis, caixas, padeiros, operadores de centro de distribuição, entre outras. Uma das explicações para esse aquecimento é que os supermercados são considerados serviços essenciais na pandemia, tendo que permanecer abertos por decretos estaduais e municipais, como é o caso do Paraná.

Após um ano desempregada, a Ariádina Araújo Santos, 50 anos, conseguiu emprego como cozinheira no Condor do bairro Pinheirinho, em Curitiba.Contratada no dia 9 de abril, Ariádina conta que gosta de ser útil e ajudar. Sempre trabalhou como cozinheira, mas estava com dificuldade de conseguir algo na área, com registro em carteira. “Conseguir este trabalho em meio à pandemia é um grande privilégio, pois se já estava difícil antes, imagina agora com tudo que está acontecendo. Vou aproveitar ao máximo essa oportunidade, pois preciso muito deste emprego”, diz. 

Na mesma leva de novas contratações no período de pandemia, o Pão de Açúcar chamou o jovem Júlio Cesar Prins Paes, 19 anos, para trabalhar temporariamente no setor de e-commerce. A rede, que faz vendas on-line, reforça o time das lojas neste período de crescimento do varejo e precisou acelerar as contratações. Foram 5 mil vagas temporárias preenchidas em todo o Brasil. Os processos de contratação aconteceram por meios digitais, respeitando o isolamento social. 

JÁ LEU ESSA? Caixa antecipa cronograma e paga 2ª parcela do auxílio emergencial na quinta

Contratações temporárias

Segundo a assessoria, os novos funcionários trabalharão em um período inicial de 30 dias, havendo possibilidade de prorrogação, em cargos operacionais (como estoquistas, caixas e atendentes) nas lojas físicas e e-Commerce do Extra e do Pão de Açúcar de todo o Brasil, além do James e da Cheftime, startups que pertencem a companhia.

“Este é meu primeiro emprego e a oportunidade foi espetacular. Na pandemia que vivemos, conseguir um emprego está muito difícil. Estou mais do que feliz. Meu trabalho vai além, pois ajudo as pessoas fazendo compras para elas, sem elas saírem de casa. É um jeito de contribuir ainda mais para o fim da pandemia”, comemora Júlio Cesar.

Vagas durante a pandemia

O gerente de negócios em RH da Employer, Adriano Gonçalves, explicou que das principais áreas que oferecem vagas no período de pandemia, como por exemplo a área da saúde, algumas delas se mantiveram no mesmo patamar de antes, outras subiram a oferta e algumas tiveram uma queda pouco significativa. “Na média, os setores que caíram apresentam 39% menos ofertas de vagas. Os que subiram tiveram aumento geral de 4%”, apontou Gonçalves.

A Employer tem um banco de cerca de 25 milhões de currículos e mais de 100 mil empresas cadastradas. Dentro desse universo, a empresa destaca que as áreas administrativa e comercial caíram 25% na oferta, tanto das vagas quanto dos currículos cadastrados. “É possível que os candidatos estejam aguardando um momento mais propício para se candidatar”, refletiu o gerente.

Já o setor de logística caiu 3% na oferta de oportunidades, mas esse percentual se compensa com a área de logística relacionada à alimentação. “O setor do agronegócio, por causa dos alimentos, segue firme. Isso demanda profissionais. Por isso, a queda se torna pouco significativa e, por outro lado, compensa o setor logístico como um todo, principalmente o de transporte”, disse Gonçalves. 

A Employer também confirma que os supermercados de todo o Brasil estiveram contratando no período de pandemia do coronavírus. E que setores como o de TI também subiram. “Nota-se um movimento nacional nesse sentido. Aqui na Employer, por exemplo, muitas empresas procuram a tecnologia de controle de jornada em casa e contratação de colaboradores por meio digital”, explicou o gerente.

Mas Gonçalves ainda destaca que é o setor de saúde o que mais cresce. Só no banco de dados nacional da Employer são 64.239 vagas disponíveis na área da saúde. Em Curitiba e região são 4.056 vagas principalmente para enfermeiros e técnicos de enfermagem.