Em votação bastante tumultuada, com empurra-empurra e tentativa de invasão da Câmara Municipal de Curitiba, os vereadores aprovaram em primeiro turno, nesta segunda-feira (18), a proposta de reajuste anual do funcionalismo municipal. Também foram aprovados o projeto que congela a progressão de carreira dos servidores até 31 de dezembro de 2021 e a limitação da liberação de funcionários da casa para sindicatos, o chamado ‘pacotaço do Greca’.

Pela proposição do prefeito Rafael Greca (DEM), levada a plenário em regime de urgência, a data-base será corrigida em 3,5% — índice abaixo do que pleiteavam os servidores. Este texto foi aprovado por 33 votos a 0.

+ Leia mais: Em greve, servidores de Curitiba invadem Câmara Municipal

Para o presidente da Câmara, Sabino Picolo, os vereadores puderam votar com tranquilidade, mesmo que fora do prédio o clime estivesse bastante tenso. “Nossa preocupação é dar segurança para que os vereadores discutam e votem com tranquilidade. Já tivemos experiência negativa, em julho de 2017, quando não conseguimos dar segurança aos vereadores. Por isso usamos a Polícia Militar e a Guarda Municipal para que eles pudessem votar com tranquilidade”, disse ao Meio Dia Paraná.

Segundo Picolo, a falta de segurança no local é um problema crônico, que só seria resolvido com a construção de um novo prédio. “O prédio foi construído numa outra realidade e estamos lutando para construir outro prédio mais seguro”, disse.

A votação em segundo turno acontece nesta terça-feira (19).

Os servidores se reúnem em assembleia por volta das 14h para falar sobre a paralisação e analisar os próximos rumos do movimento.