O Zoológico de Curitiba deu adeus ao tigre Tom, que morreu nesta terça-feira (19) depois de quase 20 anos de vida. O tigre, que era um dos animais mais procurados do Zoo de Curitiba, vivia por lá desde 2014 e foi até pai de ator de novela. E modelo de ilustrações.

Tom desempenhou papel fundamental no trabalho de Educação Ambiental da instituição. De acordo com a equipe técnica, o tigre vinha apresentando doença renal e pancreatite crônicas.

LEIA TAMBÉM Idosos buscam por vacinas no Parque Barigui, apesar de apelo da secretária de Saúde

“Era um animal idoso, com quase 20 anos de vida, quatro anos além da expectativa em cativeiro e quase o dobro do que um exemplar da espécie vive na natureza”, lembrou o diretor de Pesquisa e Conservação da Fauna da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Edson Evaristo.

morre-tigre-tom-zoo-curitiba-2
Foto: divulgação / Prefeitura de Curitiba.

Pai de ator e famoso entre visitantes

Tom chegou ao zoo em 2014, destinado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), vindo de um mantenedor de fauna. O casal de mantenedores teria adotado Tom e outra tigresa após vê-los trabalhando em um circo, conforme contaram em uma matéria veiculada no programa Mais Você, ainda em 2012.

Tom e a tigresa tiveram três filhos e, o que ganhou o nome do pai chegou a ser ator de novela. Seu recinto sempre foi um dos mais procurados pelos visitantes do zoo de Curitiba – em sua grande maioria, crianças em visitas escolares, como as atividades do programa Linhas do Conhecimento da Secretaria Municipal da Educação.
Tom também acabou se tornando parte importante para a eternidade. Ele aparecia, frequentemente, nas ilustrações de Antônio Marcílio Medeiros, chamado carinhosamente de Tarzan, um dos tratadores de animais da instituição.

ilustracao-tigre-tom-zoologico
Foto: Daniel Castellano/SMCS

Ciclo da vida no Zoo

A morte do tigre Tom é mais uma lamentada pelo Zoo de Curitiba, que fica no Alto Boqueirão. No ano passado, a equipe do Zoológico se despediu do leão Simba, que chegou ainda filhote ao zoo e viveu por 18 anos. Assim como Tom, Simba já havia ultrapassado a expectativa de vida da espécie fora da natureza, que é de 13 anos, e morreu com sinais de envelhecimento.