A pavimentação da Rua José Zgoda, no Bairro Alto, em Curitiba, chamou a atenção de moradores da região quando uma nova camada de recape asfáltico foi colocada sobre a pavimentação já existente. A rua muda de nome para Rua Gustavo Rattman por uma das trincheiras na Linha Verde (BR-476), nas proximidades da Igreja Batista do Bacacheri. Segundo moradores, o trecho da José Zgoda já tinha sido asfaltado em 2019 e, também, havia recebido a pintura de sinalização recentes.

+Leia mais! Novo decreto em Curitiba estipula volta da bandeira laranja após 12 dias de restrições severas

Agora, como mostram as fotos enviadas à Tribuna, todo o serviço de pintura foi perdido e precisará ser refeito por causa do novo asfalto. Um representante da vizinhança que mora no bairro desde 1958 questiona o motivo do novo recape, sendo que na Rua Santa Madalena Sofia Barat, que fica ao lado das obras de uma nova trincheira na Linha Verde, ainda não tem asfalto e esse é um pedido antigo de moradores.

Imagem do Google de 2019 mostra o asfalto sendo feito na rua José Zgoda, que antes disso estava em péssimas condições. Foto: Reprodução/Google.

Quem reclama em nome dos vizinhos é o empresário Eloizio Zanardi, 58 anos, que mora na Rua José Zgoda desde que surgiu o loteamento da Vila Higienópolis, hoje incorporado ao Bairro Alto. “Nos perguntamos por que o desperdício de dinheiro público? Tinha a pintura das faixas na rua, o asfalto ali estava em excelentes condições. Mas fomos surpreendidos com uma empresa fazendo a colocação de uma camada de asfalto cobrindo a pintura recém executada e o asfalto lisinho já existente no local”, aponta Zanardi.

+Leia mais! Greca dispara: Bandeira vermelha pode voltar se pandemia avançar em Curitiba

Ainda segundo o morador, a ação foi “um verdadeiro descaso”, uma vez que há um pedido da vizinhança para asfaltar a Rua Santa Madalena, um trecho que cruza a rua que está sendo recapada. “Fomos ignorados. Verdadeiro descaso, uma vez que há, na Santa Madalena, um trecho que sequer asfalto tem devido às obras da trincheira. Sempre pedimos uma camada asfáltica para combater o pó e jamais fomos atendidos”, argumenta o empresário e porta-voz das reclamações.

E aí, prefeitura?

A Secretaria Municipal de Obras Públicas (SMOP) diz que a obra de pavimentação da José Zgoda está relacionada ao conjunto de intervenções do Lote 3.2 da Linha Verde, que compreende a construção da trincheira entre o Bairro Alto e o Bacacheri, que ligará os bairros pelas ruas Fúlvio José Alice e Amazonas de Souza Azevedo. E que o trabalho de recape foi previsto pela equipe que executa o projeto e se deve à deficiência técnica do serviço feito pela empresa anterior, que por meio de rescisão contratual foi afastada da obra.

Ainda segundo a prefeitura, a Rua Santa Madalena também faz parte do conjunto da obras do Lote 3.2 da Linha Verde e nas próximas semanas também receberá obras de pavimentação.

Em nota, a SMOP explica que “para não perder toda estrutura da pavimentação, está  sendo feita uma camada adicional de mistura asfáltica (recape) com uma granulometria mais aberta, faixa B, pouco usual como acabamentos de vias urbanas, porém com grande resistência mecânica”.

+Viu essa? Tradicional em Curitiba, churrascaria Paiol encerra atividades após 39 anos

A secretaria ainda explica que como ocorreu um lapso temporal entre a aplicação da primeira capa de asfalto, rescisão contratual da empresa que executava a obra, realização de nova licitação e contratação da empresa que está realizando atualmente a obra de conclusão, “a Superintendência de Trânsito de Curitiba (Setran) atendeu a solicitação de moradores e implantou emergencialmente uma sinalização no local, que foi feita com pintura provisória”.

A promessa da SMOP é que, após o término da obra final de pavimentação e decorrido o prazo de cura do material, será realizada a pintura da sinalização horizontal definitiva.