O juiz federal Sergio Moro, que atua nos processos envolvendo a Operação Lava Jato no Paraná, vai pedir exoneração do cargo de professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), onde leciona no Departamento de Direito Penal desde 2007. A informação foi confirmada pela Gazeta do Povo com pessoas próximas a Moro.

A diretora do Setor de Ciências Jurídicas da UFPR, Vera Karam Chueiri, afirmou nesta segunda-feira (5) que, até agora, não há nenhum pedido formal de exoneração de Moro. A reportagem apurou que a solicitação de desligamento ainda será entregue à universidade.

Atualmente, Moro está afastado da universidade. Ele pediu licença no final de 2016 para se dedicar exclusivamente aos processos da Operação Lava Jato, alegando cansaço e outros compromissos pessoais derivados de sua atuação como juiz.

O magistrado dá sinais de cansaço na Lava Jato há tempos. Ele chegou a afirmar, no ano passado, que a operação está perto do fim em Curitiba. Essa não é a percepção da força-tarefa do Ministério Público Federal (MPF) que atua no caso. Os procuradores torcem para que o Supremo Tribunal Federal (STF) reveja as regras do foro privilegiado a políticos, causando uma avalanche de processos em primeira instância.

Em 2016, o jornal Folha de S. Paulo adiantou que Moro pretendia estudar nos Estados Unidos entre o fim de 2018 e o início de 2019. Em setembro do ano passado, a revista Época afirmou que o magistrado recebeu convites para estudar e lecionar na Itália e nos Estados Unidos.

Na semana passada, Moro esteve em Nova York participando de evento promovido pelo Americas Society/Council of the Americas.

Colaborou Fernando Martins