Os bombeiros de Curitiba estão de luto. Na última quinta-feira (12), a cadela Lika, uma dos primeiros cachorros treinados pela corporação para operações de busca, morreu aos 12 anos. Especialista em busca de pessoas submersas em escombros – como em desabamento de prédios -, a labradora estava aposentada desde 2013, quando passou a representar o Corpo de Bombeiros do Paraná em atividades terapêuticas, como em hospitais e asilos, além de campanhas de aproximação da corporação com o público em escolas e eventos.

Lika entrou para o Corpo de Bombeiros ainda filhote em 2006, quando a corporação formou o Grupo de Operações de Socorro Tático (Gost), unidade especializada em ocorrências de busca e salvamento. Depois da tentativa frustrada de treinamento com dois outros labradores, Lika encaixou perfeitamente no perfil de cão que o Gost precisava. “A Lika era extremamente obcecada pela busca. Era muito brincalhona e tinha muito energia, exatamente o que um cão precisa para fazer trabalhos de buscas, já que uma ocorrência pode durar o dia todo”, explica o tenente Fellipe Pacheco, que hoje serve no quartel em São Mateus do Sul, mas que foi o primeiro condutor da cadela no Gost. “A Lika, sem dúvida, foi um dos melhores cães da corporação”, enfatiza Fellipe, que trabalhou com a cadela por quatro anos.

+ Caçadores de Notícias: Dois pessoas, duas medidas. Prefeitura trata acidentes de forma diferente

De tão boa, Lika virou professora. Após participar de cerca de 20 ocorrências de busca, a cadela foi designada para participar da formação dos condutores de cachorros dos Bombeiros. Como cachorro-escola, Lika ajudou na capacitação de cinco bombeiros do Gost, que atualmente conta com nove cães de busca. “A Lika foi essencial na minha formação e na de outros bombeiros. Com ela, aprendi a respeitar o animal, a valorizar o trabalho do cão e a lidar com as limitações que todo animal tem”, reforça o tenente Felippe.

Ele explica que outra característica marcante de Lika era a sociabilidade. “Sem dúvida, a Lika foi o animal mais carismático do Corpo de Bombeiros. De certa forma, ela representava a imagem da corporação, fosse numa cerimônia de passagem do comando, fosse para levar alegria a pessoas doentes em hospitais”, enfatiza Fellipe.

O corpo de Lika foi cremado e os restos mortais ficarão com o último bombeiro com quem ela atuou. Em sua conta no Facebook, o Corpo de Bombeiros emitiu uma nota de pesar pela morte da labradora. “Lika auxiliou no ensino de bombeiros de vários cursos de formação, atuando também em diversas ocorrências de busca e salvamento no Estado do Paraná”, relata a nota. “Apesar de sua aposentadoria, realizava juntamente com outros cães de busca e salvamento da ativa e da reserva e integrantes do Grupo de Operações de Socorro Tático, atividades assistidas por animais com efeitos terapêuticos, visitando diversos hospitais, casas de apoio, escolas e afins durante todos estes anos. Descanse em Paz Lika!”, prossegue o texto no Facebook.