Osvaldo Tavares de Mello. Um nome que muitos podem não saber de quem se trata, mas que tem sua alma marcada na história da comunicação paranaense. Mais conhecido pelo apelido, Vadico escreveu sua trajetória no jornalismo, tanto no rádio quanto no impresso, na política, no mercado publicitário. Fervoroso torcedor do Furacão, ele participou e comandou equipes de rádio, trabalhou com o ex-governador Paulo Pimentel, atuou na Gazeta do Povo, foi presidente da Acep (Associação dos Cronistas Esportivos do Paraná), trabalhou com políticos e fez amigos por onde passou.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

Há alguns dias, Vadico precisou passar por uma cirurgia para a retirada da vesícula. Coisa simples e rotineira, mas que se complicou e, depois de dias internado na UTI do Hospital do Rocio, em Campo Largo, na madrugada desta quinta-feira (9), Deus o chamou e Vadico agora vai torcer pelo seu Furacão lá de cima.

Lembro com muito carinho da figura paterna do Vadico circulando pela redação da Tribuna do Paraná, afinal seu irmão, o Charles, era o diretor de redação e depois seu filho, o Rafael assumiu o cargo, quando o tio se foi, em 2002. Sempre com um enorme sorriso no rosto, Vadico era a felicidade em pessoa. Cumprimentava todo mundo, contava piadas e, claro, sempre falava do seu Athetico, uma das suas paixões.

+Leia também: Athletico encara o Boca Juniors de olho na vantagem nas oitavas da Libertadores

Vadico era como um paizão. Gostava de conversar, trocar ideias, sempre tinha uma palavra de incentivo, de motivação. Nos últimos tempos, já não ia mais com tanta frequência à redação da Tribuna do Paraná. Seu tempo era dedicado à família. Sua esposa Ana, seus filhos Rafael, Thiago e Rajah e os netos eram os protagonistas das suas postagens no Facebook. Sem esquecer também da missa de todo domingo na Igreja dos Passarinhos, sempre acompanhado do padre Gabriel Figura, onde nome de destaque na vida de Vadico.

Vou sentir saudades das tiradas de sarro, das piadas, dos papos sobre o futuro do jornal, do jornalismo, do futebol. Vadico deixa um legado para todos nós, a vida é feita para ser vivida intensamente, rodeado de amigos, sem deixar mágoas nos outros e no próprio peito. Vá em paz amigo. E que o Furacão te dê de presente uma bela vitória esta noite contra o Boca Juniors.

O velório será hoje a partir das 18h na Capela 2 do Cemitério Jardim da Saudade – R. João Bettega, 999, Portão. O sepultamento será amanhã às 10h no mesmo local.

+Leia também: Até sábado, bazar da APACN traz grandes marcas a preços baixos em Curitiba

Abaixo, alguns depoimentos de amigos de Vadico sobre ele:

Armindo Berri, ex-editor da Tribuna do Paraná

“O Vadico é a verdadeira imagem do altruísmo. Sempre o conheci servindo os outros, muito mais do que servindo a si próprio. Era o que se pode chamar de pau pra toda a obra, o maior exemplo de amor ao próximo, o maior mandamento cristão. A família vinha em primeiro lugar, depois a vida era ajudar os outros. Por isso não faltará a mão de Deus para consolar a família”.

+Leia também: Invasão atleticana emociona torcedores em Buenos Aires

Fernando César, narrador de rádio

“É desnecessário falar do Vadico como homem de comunicação, conhecedor de rádio e jornal como poucos. Viveu a política intensamente, pela amizade e confiança que conquistou junto ao Dr. Paulo Pimentel durante o período que esteve nas organizações do ex-governador e também quando respondeu como Secretário de Comunicação em Foz do Iguaçu.

Nos últimos meses, foi a pessoa com quem mais convivi dividindo espaços no gabinete do vereador Colpani. Contava os minutos para sairmos juntos para o almoço, variando os locais e colocando, claro, os assuntos do dia em discussão, que muitas vezes rendiam capítulos para o dia seguinte.

Vadico chegava cedo no gabinete sempre com a Tribuna do Paraná embaixo do braço onde lia e relia palavra por palavra, as vezes brincava chamando-o de revisor. O Athletico uma de suas paixões, mas o que mais me chamava a atenção, o carinho pela família: Dona Ana, Rafael, Thiago, Rajah e os netos.

Desde que se internou para a cirurgia vinha me sentindo muito só, sem a sua companhia nos almoços.
Descanse em paz meu amigo, e agora quem vai me chamar de teimoso?”.

Toninho Stela, amigo e dono do Bar e Marcearia Stela.

“Eu estive lá com ele antes da partida e fiz ele dar umas risadinhas, fizemos umas piadas. Ainda bem que estive la. Ia ficar muito sentido de perder um amigo, um companheiro como ele, e não ter visto a tempo. Então vou ter minha consciência tranquila. Era um cara tudo de bom, prestativo, amigo. As vezes era nervoso, mas do jeito dele. Era uma grande pessoa. Um cara que viveu de tudo, trabalhou em todos os cantos. Um cara que viveu a vida, fez muitos amigos e que deixa saudade.

Se Deus quiser ele estará lá em cima batendo palma e torcendo, pois era um baita atleticano. Passou pelo clube como conselheiro, tem uma história no Atlético. Ele vai estar la em cima torcendo para nossa vitória. Que ele fique com Deus, descanse em paz e olhe pra nós, por que precisamos”.

Nota oficial do Athletico Paranaense

“O Athletico Paranaense, seus diretores e colaboradores expressam seu pesar pelo falecimento do jornalista Osvaldo Tavares de Mello, conhecido Vadico. Fiel torcedor do Furacão e ex-Relações Públicas do CAP, Vadico nos deixou na manhã desta quinta-feira (9), aos 69 anos.

Vadico construiu uma extensa e admirável carreira de mais de 45 anos no jornalismo. Foi presidente da Associação dos Cronistas Esportivos do Paraná (Acep) e vice-presidente da Associação Brasileira dos Cronistas Esportivos (Abrace). Era ativo membro da comunidade da Igreja dos Passarinhos e integrou o conhecido grupo musical Os Metralhas.

Vadico deixa a esposa Ana Mello e os filhos Rajah, Thiago e Rafael Tavares, atual diretor do jornal Tribuna do Paraná.

O Athletico Paranaense se solidariza com os familiares neste momento de profunda tristeza”.

Enquanto não houver regulamentação, patinetes devem seguir regras do Contran