Representantes do Movimento Negro Organizado de Curitiba fizeram a entrega simbólica da bandeira do Brasil ao chefe da Casa Militar do Governo, o tenente-coronel Welby Pereira de Sales, em frente ao Palácio do Iguaçu.

O ato realizado nesta quarta-feira (3) foi ministrado pela Superintendência Geral de Diálogo e Interação Social (Sudis), e teve como objetivo repudiar a ação de vândalos, que queimaram a bandeira nacional e depredaram as ruas do Centro Cívico durante a manifestação contra o racismo, na última segunda-feira (1.º.) Ontem, uma nova bandeira já havia sido colocada no local.

O suspeito de retirar e atear fogo na flâmula é um adolescente de 16 anos, que foi detido pela PM nesta quarta-feira. A troca da bandeira gerou prejuízo ao cofre público de R$ 1,7 mil. 

LEIA MAIS – Manifestantes convocados por Wanderlei Silva protestam contra quebra-quebra em Curitiba

Em um texto no site do Centro Cultural Humaitá, os ativistas negros esclarecem que os atos de vandalismo não correspondem à pauta do movimento e que foram feitos à revelia da organização da Marcha Antirracista. “Nossa preocupação hoje é resgatar os símbolos de igualdade. Queremos romper com a ideia de que o movimento negro é violento. O racismo e o preconceito que são violentos”, disse o professor Célio Jamaica.

O tenente-coronel Sales também afirmou a luta do movimento antirracista é válida. “O que não podemos aceitar são os vândalos que vêm depredar e retirar a bandeira. Mas com certeza o Governo do Estado está sensível a todas as manifestações pacíficas. Estamos todos juntos”, disse o policial.


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?