Uma mulher de 23 anos foi presa na noite desta segunda-feira (12), ao tentar roubar um recém-nascido do Hospital do Trabalhador, em Curitiba. A mulher foi flagrada por um segurança no momento em que tentava deixar a Maternidade com a criança. A acusada está detida em uma delegacia e pode responder por subtração de incapaz.

Duas versões foram dadas por ela aos policiais militares, uma delas a de que o bebê seria vendido por R$ 10 mil a outra de que ela teria perdido o bebê e não queria que a família descobrisse. .

A situação ocorreu por volta das 18h, quando a jovem vestiu-se de enfermeira e entrou em um dos quartos da Maternidade do Hospital do Trabalhador. Falou para a mãe do bebê que levaria a criança para fazer exames de rotina e saiu. No entanto, a equipe do hospital percebeu que a “enfermeira” não portava identificação da mãe na hora de tentar sair do hospital.

>> Leia também: Tentativa de roubo com troca de tiros bloqueia os dois sentidos da BR-277

Duas versões

A Polícia Militar (PM) foi chamada e levou a moça para a Central de Flagrantes para ser ouvida. Na delegacia, ela apresentou duas versões. A primeira que tinha abortado e precisava de um bebê, e outra, que venderia a criança para uma pessoa de Colombo, na região metropolitana de Curitiba.

“Ela informou que tinha abortado e precisava de uma criança, mas depois disse que venderia o bebê por R$ 10 mil para um vizinho de Colombo”, disse o PM que atendeu a ocorrência em entrevista ao bom dia Paraná desta terça-feira (13).

A mulher deixou a Central de Flagrantes e está em outra delegacia da capital. A Polícia Civil abriu inquérito para apurar o caso. A mulher, que não foi identificada oficialmente, irá responder por subtração de incapaz, que prevê detenção de dois meses a dois anos.

>> Carro de luxo destrói poste em Curitiba e pega fogo. Dois ficaram feridos!

E aí Hospital?

Em nota, o HT reforça que os procedimentos de segurança adotados no Hospital foram efetivos bloqueando a tentativa deste crime. Além disso, a Maternidade do Hospital do Trabalhador relata que possui 27 anos de funcionamento sem nenhuma ocorrência desta natureza, demonstrando a qualidade dos seus protocolos de segurança.