“Cheguei 11h da manhã e já esperei quase quatro horas para retirar o remédio pra minha filha. Tem gente passando mal aqui, pessoas idosas em pé e mães com crianças. Acho isso um verdadeiro descaso com a população que precisa”, lamentou Marlene Mazepas, de 56 anos. Assim como ela, centenas de pessoas precisaram encarar o “caos” durante esta terça-feira (25) para receber os medicamentos especiais entregues pela Farmácia do Paraná, na Rua Marechal Floriano Peixoto, no Centro de Curitiba.

Marlene ficou na bronca com a espera. Foto: Átila Alberti.
Marlene ficou na bronca com a espera. Foto: Átila Alberti.

O local, mantido pelo governo do estado do Paraná, passou a ser o único da capital desde o final de março deste ano, quando a unidade da Avenida Presidente Kennedy, no bairro Portão, foi fechada para reforma.

“Eu sempre fui atendida no Portão e nunca tive problemas porque lá era rápido, tinha estacionamento e um atendimento impecável. Agora, gasto muito para guardar meu carro, espero horas e ainda sou atendida de qualquer jeito porque tem muita gente esperando. É bem desagradável”, lamentou Célia Regina Pires, de 60 anos que, mesmo com a senha preferencial, esperou 117 pessoas serem atendidas antes dela. “Isso fora o tempo que fiquei esperando pra pegar a senha”, pontuou.

Célia também estava indignada. Foto: Átila Alberti.
Célia também estava indignada. Foto: Átila Alberti.

A empresária Márcia Roberta de Souza, 34, também precisou se acostumar com o “fervo”. “Eu já retiro meu medicamento aqui há um ano e nunca vi esse lugar tranquilo. Sempre preciso separar o dia inteiro pra isso”, afirmou. Hoje, por exemplo, ela retirou sua senha às 14h, mas não sabe se conseguirá atendimento porque existem mais de 300 pessoas aguardando na sua frente. “Eu até já pedi para minha mãe buscar minha filha na escola porque não conseguirei ir”.

Motivos

Segundo a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), a Farmácia da Marechal atende cerca de 1.500 pacientes diariamente. No entanto, o número aumentou significativamente devido aos três feriados em semanas seguidas este mês. Por isso, os tratamentos passaram a ser entregues para um período maior do que 30 dias. “Dessa maneira, o paciente precisa ir menos vezes até o local para fazer a retirada dos medicamentos”, informou, em nota.

Além disso, a Sesa adianta que expandirá a entrega dos medicamentos para os municípios da 2ª Regional de Saúde e ainda contratará novos funcionários para atender a crescente demanda. “Por meio do concurso da Saúde, 13 novos funcionários farão parte do quadro da Farmácia da Marechal. Eles têm 60 dias (contados desde 17 de abril) para assumir. Até agora, quatro já assumiram as vagas e estão em processo de treinamento”, comunicou em nota.

Os servidores da Farmácia da Kennedy também passarão a integrar o quadro da Farmácia da Marechal, mas, como o local ainda está em funcionamento, somente dois foram transferidos. “Espero que resolvam logo a situação porque não sabemos o que está acontecendo”, pediu a usuária Denise Pereira Machado, 46.

Infraestrutura

Quanto à reforma na unidade Portão, as obras devem terminar em dois anos com investimento de R$ 7,5 milhões. Com isso, o local passará a oferecer atendimentos ambulatoriais, consultas, cirurgias eletivas ambulatoriais e também exames especializados de ortopedia, cardiologia, ginecologia, urologia, enfermagem, nutrição e outras especialidades.
Já o prédio do Centro possui 1.605 metros quadrados, 20 guichês para atendimento ao público e cinco consultórios para atendimento individualizado. Desses, 17 guichês estavam em funcionamento nesta terça-feira, sendo 15 para entrega de medicamentos.

"Nunca vi esse lugar tranquilo", diz Márcia. Foto: Átila Alberti.
“Nunca vi esse lugar tranquilo”, diz Márcia. Foto: Átila Alberti.

Quanto à reforma na unidade Portão, as obras devem terminar em dois anos com investimento de R$ 7,5 milhões. Com isso, o local passará a oferecer atendimentos ambulatoriais, consultas, cirurgias eletivas ambulatoriais e também exames especializados de ortopedia, cardiologia, ginecologia, urologia, enfermagem, nutrição e outras especialidades.

Já o prédio do Centro possui 1.605 metros quadrados, 20 guichês para atendimento ao público e cinco consultórios para atendimento individualizado. Desses, 17 guichês estavam em funcionamento nesta terça-feira, sendo 15 para entrega de medicamentos.

Foto: Átila Alberti.
Foto: Átila Alberti.