Os municípios que integram a Região Metropolitana de Curitiba vão seguir a quarentena com as regras mais restritivas impostas pelo decreto assinado pelo governador Ratinho Junior, em vigor a partir desta quarta-feira (1º) e que tem como objetivo conter a transmissão do novo coronavírus, pelos próximos 14 dias. A decisão foi tomada em reunião realizada na manhã desta quarta-feira, que contou com a presença de membros da Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Curitiba (Assomec) e de outras entidades ligadas à área da saúde.

LEIA MAIS – “Se decreto não surtir efeito, podemos ter lockdown”, diz secretário de Saúde do Paraná

Com a adesão, ficam fechados nas 29 cidades da região de Curitiba os serviços e atividades considerados não essenciais, conforme determina o decreto estadual. A Assomec, já havia decidido coletivamente no dia 23 de junho por um decreto metropolitano com regras iguais para conter o avanço do covid-19 na RMC, que também tinha validade de 14 dias e que estaria em vigor até segunda-feira (6). Segundo a associação, com a adoção das regras válidas para sete regionais do Paraná, todos os seus decretos foram suspensos.

Não essenciais fecham

Entre as principais regras estabelecidas pela Associação e que já estavam valendo, estão a suspensão das atividades supermercadistas aos domingos, da realização de missas e cultos religiosos presenciais, além de um novo modelo de funcionamento do comércio em geral, com redução de horários e permitido apenas de segunda a sexta-feira.

LEIA TAMBÉM – Veja o que vai ter que fechar no Paraná com o decreto do governo pra conter a covid-19

“Com a publicação do decreto estadual, ficam suspensas todas as atividades consideradas não essenciais por um período de 14 dias a partir de hoje, e isso deixa de ter um caráter meramente orientativo, passando a ser medidas obrigatórias, que tem por finalidade conter e reduzir o número de propagação do vírus em algumas as regiões do Estado. Ainda, o decreto estadual poderá ser prorrogado, caso não ocorram os resultados esperados de controle da doença e de contágios”, diz a Assomec, em nota.

Regras ainda mais duras?

Ainda de acordo com a entidade, os municípios de maneira geral, podem endurecer ainda mais as medidas restritivas de isolamento e confinamento social, dentro das suas particularidades, mas não poderão flexibilizar nenhum dos pontos previstos no decreto estadual.

A Assomec também informa que os prefeitos da RMC também devem encaminhar sugestões em comum, para serem apresentadas ao Governo do Estado.


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?