O começo do mês está chegando e, assim como o tão aguardado dia do pagamento, também chegam as contas para pagar. Luz, água, condomínio, gás, mercado, mensalidades, plano de saúde… os boletos não param. Para ajudar os consumidores a reduzirem o valor das contas, a Tribuna do Paraná conversou com a autora do livro ‘Introdução à Economia – Aplicações no Cotidiano‘ e professora da Universidade Positivo (UP), Leide Albergoni, e trouxe algumas dicas para economizar dentro de casa.

LEIA TAMBÉM:

>> Golpe do chip de celular clonado: entenda como os bandidos têm acesso aos dados

>> Pedágio “grátis” deve movimentar praias do Paraná no verão e falta d’água preocupa

  1. Economize nas roupas pra passar

Quem não gosta de uma toalha de banho macia e roupas de cama bem alinhadas? Porém, para passar todas essas peças o gasto de energia é maior, então a dica é: passe somente o essencial. Fronhas, lençóis, panos de prato, toalhas de banho e outras opções podem ficar de lado nessa tarefa.

  1. Não deixe aparelhos eletrônicos com as “luzinhas” acesas

Quando paramos de usar aparelhos como TV, receptores, videogame e até caixinhas de som, é normal que eles fiquem em modo stand by, ou seja, somente algumas luzes acesas. Esse formato também se gasta energia, por isso, a dica é desligar os aparelhos da tomada.

  1. Fique atento aos horários de pico!

Durante o horário de pico, que é entre às 18h e 21h, a tarifa de energia é mais cara. Por isso, evite atividades que consomem muito nesse intervalo de tempo, como o banho, por exemplo. “A dica é tomar um banho mais curto ou não nesse horário. No calor, desligue o chuveiro enquanto estiver se ensaboando, e não tome banhos tão quentes. Quanto mais quente o chuveiro, mais ele consome energia”, revela.

  1. Observe a chama de gás e o fundo das panelas

A maioria das pessoas gosta de cozinhar com o fogo alto. Porém, quando a chama do fogão “vaza” para as laterais da panela, o calor está se dissipando e não sendo aproveitado para o cozimento dos alimentos. Por isso, mantenha a chama em um tamanho próximo ao da panela. “Na hora de cozinhar, outra dica é usar tampas, para não perder o calor no processo de aquecimento e aproveitar melhor o gás que está sendo consumido. Além disso, é sempre bom usar panelas no tamanho ideal para o alimento, e nunca recipientes que sejam muito maiores do que aquilo que será preparado, para não aquecer muito mais do que o necessário”, revela a economista.

  1. Lave mais roupa em menos ciclos

Para economizar água e energia, o ideal é concentrar o máximo possível de peças e utilizar a máquina de lavar na capacidade completa. Assim, em um só ciclo, mais roupas serão lavadas e o gasto será menos em duas contas.

  1. Compre em quantidades adequadas

Muitas pessoas têm o hábito de fazer estoque, ou seja, comprar alimentos para deixar no armário. De acordo com Leide, esse costume faz com que o gasto de uma compra seja maior, mas sem necessidade imediata. “O ideal é comprar somente o necessário, aquilo que será consumido. Senão, além do gasto excessivo, você corre o risco de deixar o alimento passar da validade e perder o uso”, alerta.

  1. Faça substituições e reaproveitamento

A criatividade é amiga de quem quer economizar na hora de cozinhar. Buscar receitas novas, com ingredientes mais baratos que o usual, pode ser uma solução prática e ainda saborosa para pagar menos no mercado. “Eu adoro carne vermelha, mas o preço está muito alto, então vale tentar receitas com partes de frango e que ficam boas. Com carne suína também. Ou fazer alguma opção com miúdos bovinos de uma forma saudável e gostosa”, orienta Leide. Outra sugestão é buscar frutas e verduras da estação, que costumam ter um preço mais acessível, e sempre aproveitar os alimentos por inteiro, dando alternativas para folhas, talos e até mesmo cascas.

Além das dicas, a economista também orienta que as pessoas conheçam suas finanças para identificar onde mais é possível economizar. “Faça um mapeamento do que você gasta, anote para onde vai o seu dinheiro, tudo que paga com cartão, dinheiro, boleto, débito automático. Isso é para identificar as principais fontes de gastos e perceber opções de substituição. Existem diversas opções de bancos e cartões sem taxas, por exemplo, isso é uma substituição. O cartão de crédito é muito interessante, se bem utilizado, e o consumidor consegue opções muito baratas de taxas ou até sem anuidade”, finaliza.

Web Stories

Novidades!

Veja o que chega na Netflix nesta semana

Boooooo!

Halloween: veja como fazer uma abóbora, maquiagem e fantasias para a festa

Império

Bruna e José Alfredo abrem cofre de Maurílio

Te dou a vida

Pedro confessa a Helena que a ama