Com a greve dos caminhoneiros, muitas pessoas foram ao supermercado para garantir alimentos. O medo de grande parte da população é a falta de comida, mas apesar da correria e do desespero de alguns, a Associação Paranaense de Supermercados (APRAS) informou nesta sexta-feira (25) que os consumidores não devem se preocupar com a falta de produtos no Paraná.

Supermercados de Curitiba limitam a quantidade de produtos vendida aos clientes

Líder grevista, presidente da Abcam pede que caminhoneiros desocupem as estradas

Só 5% dos postos de Curitiba e região metropolitana ainda têm combustível

Governo do Paraná diz que não vai recorrer às Forças Armadas e vai privilegiar diálogo

Viagens a partir da rodoferroviária estão comprometidas

O Estado possui cerca de 4.500 supermercados e a associação disse “que considera legítimo o direito de manifestação dos caminhoneiros contra os constantes aumentos nos preços dos combustíveis e se solidariza com a classe”.

Para o consumidor a orientação é que “não se desespere e não tente estocar produtos em casa”, já que apesar da falta de alguns itens perecíveis, principalmente hortifrúti, a situação ainda não é alarmante e os itens essenciais ainda possuem estoque para abastecimento. Nesta sexta-feira, A Tribuna do Paraná foi até alguns supermercados da capital e, de fato, há pouca quantidade de legumes, verduras e até mesmo pescados.

Sem aumentos

A Apras também alertou que a orientação aos supermercados é a de “manter os valores praticados atualmente e que repassem apenas o que aumentou em função da greve.” Curitiba, Região Metropolitana e polos industriais do interior são os menos afetados, isso porque possuem centros de distribuição de grandes redes e de indústrias. Em função da logística, algumas regiões do Paraná podem sofrer um pouco mais, porém, nada imediato, conforme a associação.

Seis unidades do Sacolão da Família não abrem neste sábado