Roberta Ferra Pereira, 42 anos, a primeira enfermeira do Paraná que teve a honra de vacinar a colega Lucimar Josiane de Oliveira, na segunda-feira (18), no Hospital do Trabalhador (HT), passou por momentos de tensão no dia da aplicação histórica no Paraná contra o coronavírus. Além de driblar a pressão de estar sendo observada por autoridades e várias equipes de reportagem, Roberta contou com a sorte para ser a primeira aplicadora, já que a titular do setor está de férias.

A notícia que estaria participando da cerimônia com a participação do governador Ratinho Junior chegou 5 minutos antes de Roberta encerrar o trabalho do dia no setor de Controle de Infecção Hospitalar do HT. Ela deixaria o hospital às 16h30, mas a diretora de enfermagem chegou com a informação que mudaria sua rotina daquele dia.

“Eu estava quase indo embora, quando a diretora falou que eu seria a primeira aplicadora da vacina no Paraná. Foi um susto na hora, mas a emoção tomou conta. Fiquei muito emocionada, pois pensei em tantas coisas que estamos enfrentando nesta pandemia. Por meia hora fiquei bem perdida, pois imaginei todos da imprensa só olhando para mim”, confessou a enfermeira que está na ativa há 16 anos.

O fato de Roberta ter sido a escolhida para aplicar a primeira dose contra o novo coronavírus contou ainda com a sorte. A responsável pelo setor de aplicação está de férias e perdeu a chance de estar no evento. “A Cleonice está de férias e aí a oportunidade veio parar comigo. A gente está acostumada a aplicar a seringa também. Claro que a pressão foi bem maior, por ter apenas oito doses e por ser a abertura da vacinação. Acredito que estive mais focada na ação. Já imaginou se a seringa cai no chão? Eu não vi mais nada ao redor e só prestei atenção na vacina”, brincou a profissional.

A enfermeira Lucimar Josiane de Oliveira, de 44 anos, foi a primeira a receber a dose do imunizante. Além dela, foram vacinados ainda dois técnicos de enfermagem, um enfermeiro, um médico, um fisioterapeuta, um nutricionista, um fonoaudiólogo e um encarregado da higienização. Conheça aqui os primeiros vacinados pelo Estado.

Roberta realizou a aplicação na colega Lucimar de coração aberto. Foto: Átila Alberti/Tribuna do Paraná.

Frustração?

A poucos centímetros da dose, Roberta não demonstra qualquer tipo de sentimento que ela poderia ter sido vacinada naquele dia. A enfermeira acredita que outras pessoas merecem mais esta oportunidade e que realizou a aplicação na colega Lucimar de coração aberto. “Não teve frustração em nenhum momento e sei que minha hora vai chegar. Faço parte de um grupo prioritário, pois entro na área da covid-19, mas acho que as pessoas que estão sendo imunizadas são aquelas que atendem pacientes infectados. Fiquei feliz por elas e apliquei de todo coração. Todos querem a vacina, mas vamos ter paciência”, comentou Roberta.

Reconhecimento merecido!

No Paraná, são 108.240 inscritos no Conselho Regional de Enfermagem (Coren/PR), órgão responsável pela fiscalização destes profissionais. Destes, 26.753 são enfermeiros, 58.049 técnicos de enfermagem e 22.507 auxiliares.

Com a pandemia, a sociedade abriu os olhos para a classe, que historicamente é colocada em segundo plano até mesmo pelos pacientes. “Vamos torcer que as pessoas entendam a importância da enfermagem, pois nunca fomos valorizados até como forma de incentivo. Muitos da gente trabalham em dois ou três empregos e não é fácil”, desabafou a enfermeira. Nessa pandemia os profissionais de enfermagem trabalham no limite pra combater a covid-19.