Dois assassinatos, na noite de domingo, em Piraquara, podem ter ligação com a vida familiar das vítimas. Suspeito de ter matado a própria cunhada, há quatro meses, José Ferreira de Paiva, 33 anos, foi assassinado a tiros e pauladas, por volta das 22h de domingo, na Rua Bosque Centenário, Jardim Holandês. No centro da cidade, Antônio Rill Fernandes, 52, foi morto a facadas, dentro do quarto.

A polícia acredita que José tenha sido morto por vingança. Ele respondia inquérito policial na delegacia de Piraquara pelo homicídio de Luci Rodrigues, irmã de sua mulher.

Ele teria matado a cunhada a tiros, na tarde de 8 de março, na Rua Ivo Alves da Silva, no Jardim Holandês. De acordo com o superintendente Valdemir Rodrigues do Prado, após o crime, José fugiu e teria retornado há pouco tempo.

Armas

Na noite de domingo, José, que é dono de um boteco, foi trucidado com tiros, pauladas e pedradas na cabeça. “Provavelmente há ligação com o assassinato da cunhada”, supôs Valdemir.

Segundo a polícia, José costumava andar armado, com dois revólveres. Ao lado de seu corpo, foram encontrados um coldre e munições de calibre 38. As armas da vítima provavelmente foram levadas pelos assassinos.

Dúvidas em investigação

Fábio Schatzmann

A delegacia de Piraquara duvida que Gilmar Izair Kiel dos Santos e Emerson Andrei Calazans de Souza, ambos de 17 anos, tenham sido mortos por causa de briga com vizinhos. Os dois foram executados com tiros na cabeças na tarde de domingo.

As primeiras versões davam conta que Gilmar chutou o cachorro de um morador e o proprietário se vingou. Emerson estaria com o amigo no dia em que agrediu o animal. Para o superintendente Valdemir Rodrigues do Prado, a versão não convence pelo histórico de Gilmar. Seu amigo nunca teve problemas com a polícia.