Em uma audiência pública na Câmara de Curitiba, nesta terça-feira (25), antes de anunciar a prorrogação da bandeira laranja pelo menos até a próxima sexta-feira, a secretária de saúde de Márcia Huçulak fez um desabafo e um pedido de união aos vereadores de Curitiba. Segundo ela, as equipes da prefeitura de Curitiba estão sendo agredidas quando tentam barrar aglomerações e festas clandestinas na cidade. Com as UTIs em estado crítico na cidade, esse tipo de comportamento contribui ainda mais para uma piora da pandemia.

“Tem pessoas que não entenderam que existe um vírus, que derrubou o mundo, que colocou o mundo de joelho, que abalou as economias e o PIB de todos os países do mundo, que não tem tratamento. Nossa equipe está exaurida, sendo agredida quando vai nas aglomerações e festas clandestinas”, desabafou a secretária na Audiência da Saúde com os vereadores de Curitiba.

Márcia ainda pediu uma ajuda aos vereadores, pedindo colaboração para que todos remem para o mesmo sentido. “Eu conclamo essa câmara a fazer um apelo para a sociedade curitibana. Nos ajude, por favor. Só vamos vencer o vírus juntos, não um jogando coisa contra o outro, com intrigas, inverdades. Desculpe, está demais para a nossa equipe”, apelou a secretária.

+Leia mais! Novo decreto no Paraná amplia toque de recolher e muda horários do comércio

Apelo de comerciantes

A possibilidade de Curitiba voltar à bandeira vermelha preocupa a Associação Comercial do Paraná (ACP). Em nota divulgada nesta terça-feira (25), a entidade se posiciona mais uma vez contrária ao lockdown e pede proteção para o comércio da capital.

“A Associação Comercial do Paraná encarece às autoridades que não voltem a punir o comércio de Curitiba. Temos ciência de que o poder público deve responder a eventual crescimento de casos de covid-19, mas que o faça com ações mais assertivas e não com o fechamento do comércio, uma medida inócua que vem se repetindo desde o início da pandemia”, diz a ACP, no comunicado.

RMC preocupa

Ainda na reunião, Huçulak alertou para o fato de a região metropolitana de Curitiba estão em compasso com a capital. “Tudo que acontece na região metropolitana impacta Curitiba. As linhas de ônibus que geram aglomeração têm conexão com a região metropolitana. Seria muito importante uma medida que alinhasse todos municípios da Região Metropolitana”, disse.