A empresa Três Mosqueteiros Comércio e Navegação, de Foz do Iguaçu, vai assumir o serviço de travessia do ferry boat entre os municípios de Matinhos e Guaratuba, no Litoral do Paraná. Única habilitada no processo licitatório, a empresa propôs uma tarifa básica de R$ 8,90 para o serviço. O valor máximo previsto no edital era de R$ 9,15 e a tarifa atual é de R$ 7,10 para carros de passeio.

A abertura do envelope aconteceu na tarde desta sexta-feira (15) na sede do Departamento de Estradas de Rodagem (DER). Além da Três Mosqueteiros, a F. Andreis Neto, atual concessionária do serviço, participou da concorrência, mas foi inabilitada por não ter atendido a um item do edital. A nova concessão é válida por dez anos e o valor estimado do contrato é de R$ 134 milhões.

LEIA TAMBÉMEncerramento de produção da Ford preocupa concessionárias no Paraná. São 40 lojas

A comissão de licitação tem agora um prazo de até cinco dias úteis para homologar a proposta. Como a atual concessão vence no dia 7 de abril, a empresa vencedora poderá começar a operação do ferry boat já no dia seguinte, em 8 de abril, após a elaboração do contrato de concessão e a assinatura da ordem de serviço.

A Três Mosqueteiros opera o passeio do Macuco Safari, no Parque Nacional do Iguaçu, que leva turistas de barco próximo às Cataratas do Iguaçu. A empresa também atua no litoral paranaense, operando desde 2019 a travessia para a Ilha dos Valadares, em Paranaguá.

Ao assumir a travessia, a empresa terá a obrigação de realizar uma série de melhorias estruturais, entre elas revitalizar todo o pavimento e a sinalização da área concessionada; reformar e adequar os quatro conjuntos de atracadouros; e implantar ciclovias de concreto. Também deverão ser revitalizadas as edificações da concessão, incluindo as bilheterias, lanchonete e instalações do Serviço de Atendimento ao Usuário.

De acordo com levantamento de veículos pagantes, em dezembro e janeiro cerca de 200 mil veículos utilizam a travessia, com o número variando de 70 mil a 100 mil nos demais meses. A atual concessão expirou em abril de 2019, mas foi prorrogada até abril de 2021 para que o governo pudesse realizar o novo processo licitatório.