Os casacos não voltarão ao armário em agosto. Apesar da elevação das temperaturas nesta primeira semana, os institutos de meteorologia preveem a chegada de novas frentes frias que vão derrubar novamente as temperaturas ao longo do mês.

Uma frente fria deve atingir toda a região Sul na segunda semana do mês. A maior parte da chuva vai se restringir ao interior do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. No início da segunda quinzena, uma massa de ar frio vai provocar queda acentuada de temperatura, com risco para geadas amplas entre o Rio Grande do Sul, Santa Catarina e o interior do Paraná. A expectativa é de que as menores temperaturas fiquem concentradas entre os dias 15 e 20.

LEIA TAMBÉM:

>> Jaime Lerner pode ser o nome de nova ponte gigante no Paraná, após homenagem em Curitiba

>> Panfleteira de Curitiba é destaque na difícil profissão: “Feliz e agradecida”

A boa notícia é que a intensidade das novas ondas de frio será mais fraca em relação à última massa de ar polar que causou temperaturas negativas, formação de geada nas plantações e neve em muitas localidades da região Sul.

Segundo Mamedes Luiz Melo, meteorologista do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), as novas frentes frias serão intercaladas e deverão atingir o país entre os dias 10 e 13 e, depois, a partir do dia 19.

“A região Sul e parte do Centro-Oeste e do Sudeste vão sentir mais frio com essas novas frentes frias”, diz o meteorologista. “Deve ocorrer geada, temperaturas próximas de 0ºC, mas nada parecido com o que foi a última massa de ar polar”.

De acordo com o Climatempo, agosto vai gerar a sensação de “que o frio não passa”, porque as temperaturas previstas para o mês, sobretudo nas regiões que serão mais afetadas pelas frentes frias, ficarão bem abaixo do normal para esta época do ano.

O Climatempo também sinaliza, como o Inmet, que não há previsão de uma nova friaca semelhante aos últimos dias de julho, “mas o frio será mais duradouro”.

“A tendência é de uma sequência mais prolongada de dias de frio, que deve durar até o fim da primeira semana de agosto. Neste período, teremos as mínimas e as máximas mais baixas do ano, além de uma sensação de frio mais intensa provocada pela ação dos ventos”, disse Thomaz Garcia, meteorologista do CGE.