A onça-pintada Angelina, do Zoológico de Curitiba, morreu nesta quinta-feira (31) depois de passar por uma cirurgia para corrigir uma fratura no calcanhar direito. O animal teve uma complicação anestésica tardia, ou seja, não morreu durante o procedimento, que foi realizado em um hospital veterinário de Joinville (SC).

Angelina, que tinha cinco anos e 40 quilos, teve uma lesão neurológica ainda quando filhote e ficou com sequelas. Por isso, ela não ficava exposta à visitação. Ela era filha de Angélica e tinha outros dois irmãos – todos no zoo.

O problema no calcanhar da onça foi consequência, provavelmente, de um movimento brusco feito por ela. No ano passado, ela já havia passado por uma cirurgia para reparar o mesmo problema, mas o calcanhar voltou a apresentar nova fratura. Angelina foi o primeiro animal selvagem a ser submetido a uma tomografia computadorizada em Curitiba.

“Desde que nasceu, Angelina apresentava já algumas alterações. Ela teve paralisia facial, problemas odontológicos. Ao longo desses cinco anos nunca ficou exposta até para conforto dela, para que nuca se estressasse”, explicou o diretor zoo da capital paranaense, Eros Luiz de Souza. “Assistência ela sempre teve”, ressaltou.

O corpo de Angelina vai passar por um processo de taxidermia – nome técnico do empalhamento de animais – e será exposto no Museu de História Natural do zoológico.