O Grupo Força Animal, instituição de Colombo que atua em Curitiba e região metropolitana (RMC) com o resgate de animais de grande e pequeno porte, está precisando de ajuda. Segundo a veterinária Danielly Christina Savi, 37 anos, fundadora da ONG, as dívidas para tratar dos cerca de 500 animais sob tutela aumentaram com a pandemia de coronavírus e os recursos que vêm de rifas, arrecadações e eventos não estão sendo suficientes para cobrir as despesas. A dívida que precisa ser quitada neste mês é de cerca de R$ 8 mil.

“Já não sei mais o que fazer pra conseguir dar conta. Quase não estou tendo ajuda nenhuma. Estamos com os canis do rancho lotados, temos animais dependendo de hotel e, mês passado, não consegui pagar. Estou sem chão”, lamenta a Danielly Savi.

LEIA TAMBÉM:

>> Em menos de duas semanas, 3 mil metros de cabos foram roubados na Av. 7 de setembro

>> Deputado do Paraná diz que vai armado para intimidar votos: “aprova tudo”

O Grupo Força Animal funciona em um espaço alugado, na região de Colombo, mas já chegou a funcionar em Piraquara, também na RMC. Os cerca de 500 animais que estão sendo atendidos são subdivididos em cães, gatos, cavalos, vacas, porcos, coelhos, aves, cabritos e ovelhas. Todos eles vítimas de maus-tratos, que, na maioria das vezes, precisam passar por cirurgia.

Só o consumo de alimento mensal – as rações – é de cerca de 3,7 mil kg. Também são aplicados antipulgas e vermífugos e há necessidade de cobertas e toalhas para manter os recintos limpos durante os tratamentos. 

A ONG funciona com uma equipe fixa de dez pessoas, que fazem os resgates, cuidam das redes sociais e tratam dos animais. “Em eventos, feiras e lares temporários, esse número de pessoas que nos ajudam aumenta. Fazemos todo o serviço de resgate, reabilitação, tratamento e damos moradia, após recuperação até a adoção”, explica a veterinária.

Foto: Grupo Força Animal

A cadela deitada na caminha é a Cristal. “Ela sangrou por nove horas, após enroscar a perna na roda de uma moto. O motoqueiro viu, mas acelerou a moto e a patinha foi arrancada. Passou por cirurgia de amputação, internamento e teve um final feliz. Foi adotada e hoje vive com muito amor”, comemora a Danielly Savi.

Para ajudar o Grupo Força Animal, as doações podem ser feitas por PIX. A chave é o CNPJ 29.682.985/0001-64, no nome da Associação Beneficente Grupo Força Animal.