Uma criança de 5 anos foi encontrada morta dentro de casa na tarde desta segunda-feira (19), no bairro Pinheirinho, em Curitiba. Ela estava em cima da cama com marcas de asfixia. A residência, uma pensão, fica na Rua Miguel Couto dos Santos.

O menino, identificado como Diogo, teria sido morto pelo pai, Hidelmar Araújo Machado, 38 anos, no último domingo (18).

LEIA MAIS: Polícia procura pai que matou o próprio filho de cinco anos em Curitiba

O homem, que trabalha como motorista, está foragido e a suspeita é de que ele tenha matado a criança para se vingar da ex-esposa, com quem tinha problemas de relacionamento. A guarda de Diogo era compartilhada.

O dono da pensão, que prefere não se identificar, relata que o corpo só foi encontrado porque a mãe de Diogo estranhou o sumiço dos dois. “A mulher veio, a porta do quarto estava trancada e ela foi orientada a buscar a polícia. Com a chegada da viatura, ela autorizou os policiais a arrombarem a porta. Foi aí que constaram o óbito”.

O homem relata, ainda, que pai e filho tinham um bom relacionamento. “Estavam sempre juntos, a criança era grudada com ele. Se davam muito bem. E ele era um homem educado, trabalhador, ia todo fim de semana à igreja. Ninguém esperava isso”, lamenta.

Hildemar está foragido. Foto: Polícia Civil/Divulgação
Hildemar está foragido. Foto: Polícia Civil/Divulgação

Para o delegado Cássio Conceição, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Hidelmar é o principal suspeito. “Ele já não apareceu no serviço hoje e tudo indica que ele seja o assassino. A causa da morte aparenta ser asfixia mecânica, mas um laudo pericial deve comprovar isso. Temos, também, imagens da pensão que mostram os dois juntos no fim de semana. Depois de sábado, eles não foram mais vistos”.

Segundo o delegado, a motivação seria uma briga com a ex-mulher. “Estava brigado com a ex e, para se vingar, acabou matando o filho”.

A Polícia Civil deve divulgar as imagens do suspeito nas próximas horas. Informações que possam contribuir com a investigação devem ser repassadas à DHPP pelo telefone 0800-6431-121.

Vídeo

Veja a entrevista com o delegado Cássio Conceição: