O valor final da ceia de Natal deste ano em Curitiba deve ficar mais salgado do que em 2019. Por causa da pandemia de coronavírus (covid-19) e o setor alimentos puxando a inflação para cima, produtos principais, como as carnes, e adjacentes como frutas e petiscos estão mais caros em relação ao ano passado. No Mercado Municipal de Curitiba, um dos pontos tradicionais para as compras natalinas na capital, o aumento no preço vai de 30% a 50% em alguns itens. A visita da reportagem foi na terça-feira (8).

+Leia mais! Pais pedem volta às aulas presenciais. “O aprendizado delas não é só o conteúdo online”

Levando em conta os valores encontrados no Mercado Municipal, produtos como o damasco, por exemplo, é vendido com o preço médio do quilo em torno de R$ 59,90 neste ano. Em 2019, saía por R$ 29,90, ou seja, dobrou de valor. A uva passa vai na mesma onda, com cerca de 40% de aumento o preço médio neste ano é de R$ 25 o quilo. O ano passado estava R$ 15,90.

Por outro lado, as frutas cristalizadas (figo, abacaxi, laranja e cidra) mantiveram o preço de 2019 e custam em média R$ 39,90 o quilo. Já a castanha-do-pará, especificamente, teve uma queda de preço pela metade, por causa da safra nacional. O quilo, neste ano, custa cerca de R$ 35 a de tamanho miúdo, R$ 49,90 a de tamanho médio e R$ 69,90 a graúda.

Segundo Solange Roks, 42 anos, dona de uma banca desde 2005 no Mercado Municipal, além do aumento nos preços, a procura por itens como castanha, nozes, frutas cristalizadas e outros produtos que costumam estar na ceia natalina está menor. Ela fala em 80% a menos de circulação de pessoas. “Nós fazemos livro caixa, deixamos tudo registrado, e sem fugir da realidade é 80% a menos nas vendas. Estamos sentindo os efeitos da pandemia. Clientes de outras cidades, que costumavam vir e se abastecer aqui, não vieram”, lamenta.

Para a comerciante Solange Roks, procura por itens como castanha, nozes e frutas cristalizadas está menor. Foto: Gerson Klaina/Tribuna do Paraná.

A comerciante orienta que os produtos nacionais estão mais disponíveis e mais em conta no geral. “Não houve muita importação e os preços dos produtos de fora estão muito caros. O cliente que quiser economizar, fazer uma compensação no mix da ceia para não doer no bolso, o conselho e variar com os nacionais”, sugere a Solange Rocks.

Nas duas grandes redes de supermercados que a reportagem visitou para saber os preços do chester, peru, lombo, tender e ave supreme, que são as carnes mais procuradas para a ceia, os valores médios do quilo, dependendo das marcas, giram em torno de R$ 20 o chester, R$ 20 o peru, R$ 45 o lombo, R$ 45 o tender e R$ 16 a ave supreme.

Já uma cesta de Natal pronta, já embalada em uma caixa de papelão, que se costuma dar de presente para amigos e familiares e que contém itens como bebida e panetone sai por um preço médio de R$ 45 nas grandes redes.

Também nos dois supermercados visitados, o mesmo mix de produtos encontrados no Mercado Municipal, e que podem ser comprados em embalagem fechada de 250 gramas, tem uma variação de preço que vai de R$ 6 a R$ 25. 

Na área das bebidas, a variedade de estilos e gosto do consumidor é maior, por isso, a pesquisa costuma ser mais pessoal. Porém, no balanço da reportagem, as garrafas de espumante que estavam mais em destaque nas prateleiras das grandes redes ou em promoção, por exemplo, eram a do espumante Cava Don Román, por cerca de R$ 70, Fontana Fredda por R$ 130 e Garibaldi por cerca de R$ 32.

Por último, os panetones e chocotones de várias marcas tinham preço variando entre R$ 6 e R$ 37. Uma marca mais conhecida como a Bauducco, por exemplo, tinha o chocotone saindo entre R$ 17 e R$ 32, dependendo da variedade do recheio.

A empresária Beatriz Herek, 38 anos, que fazia compras no Mercado Municipal disse que vai cortar a carne vermelha para economizar. “Tá muito caro, nos supermercados principalmente. No Municipal também está mais alto do que eu estou acostumada. Normalmente, faço três tipos de carne, um chester ou um peru que não pode faltar, uma carne vermelha e um cordeiro. Este ano vamos só com chester e cordeiro”, diz.

Beatriz Herek vai tirar a carne vermelha do cardápio para economizar. Foto: Gerson Klaina/Tribuna do Paraná.

Outro detalhe que contou a Beatriz Herek foi sobre a quantidade de pessoas na ceia. Serão poucas, só os mais íntimos. “Estou acostumada a receber bastante gente na minha casa, com amigo secreto, mas este ano não vai ter. Este ano, todo mundo vai conseguir sentar à mesa, o que normalmente não dá”, brinca.

Média de preços da ceia em Curitiba

*Damasco (Kg) – R$ 59,90

*Uva passa (Kg) – R$ 25,00

*Frutas cristalizadas (Kg)- R$ R$ 39,90

*Castanha do Pará (Kg) – R$ 35 a de tamanho miúdo, R$ 49,90 a de tamanho médio e R$ 69,90 a graúda

*Chester (Kg) – R$ 20

*Peru (Kg) – R$ 20

*Lombo (Kg) – R$ 45

*Tender (Kg) – R$ 45

*Ave Supreme (kg) – R$ 16

*Mix de produtos (250 gr) – R$ 6 a R$ 25

*Chocotone – entre R$ 17 e R$ 32

Bebidas para a ceia de natal

  • Cava Don Román – por cerca de R$ 70
  • Fontana Fredda por R$ 130
  • Garibaldi por cerca de R$ 32
Foto: Gerson Klaina/Tribuna do Paraná.