Passageiros estão preocupados com a lotação nos ônibus de Curitiba e região metropolitana durante a pandemia de coronavírus. Muitos estão tendo que enfrentar aglomerações de pessoas não só nos ônibus, mas também nos terminais e estações-tubo, o que aumenta o risco de contágio da covid-19

Na linha Centenário/Boqueirão, por exemplo, um flagra feito quarta-feira (22) por uma leitora da Tribuna mostra o coletivo lotado e muitos passageiros sem máscara retornando para casa após o dia de trabalho. A situação se repete também na linha Santa Ângela, que liga Curitiba a Campo Largo, na região metropolitana.

“Todos os dias estão assim. Para voltar para casa é sempre lotado. E não são todos os passageiros que usam máscaras. Acho que tinha que voltar aos horários normais, pois desse jeito não dá”, reclama a passageira Michela Ribeiro, que trabalha na CIC como auxiliar de produção.

LEIA MAIS – Lojistas tentam reverter fechamento do PolloShop para manter empregos

Os ônibus lotados levaram inclusive o Sindicato das Empresas de Gastronomia, Entretenimento e Similares de Curitiba (Sindiabrabar) a enviar um ofício à Urbs e ao Ministério Público solicitando uma solução. O medo dos empresários donos de bar é de que os funcionários se contaminem nos ônibus a caminho do trabalho e consequentemente infectem os outros funcionários e clientes dos estabelecimentos, além de suas próprias famílias.

Uma resolução publicada dia 16 de abril no Diário Oficial do município obriga os comerciantes a manterem o isolamento social de 1,5 m entre os clientes no interior dos estabelecimentos para evitar a disseminação do coronavírus. Mas e nos ônibus, tem alguma regra?

A Urbs, empresa municipal responsável pelo transporte público em Curitiba, explica que o decreto estabelece o uso de máscaras em quaisquer espaços públicos, incluindo ônibus, táxis e aplicativos de transporte. Além disso, o ideal é que as pessoas respeitem a distância de 1,5 m na fila de espera em terminais, estações-tubo e pontos. Nos ônibus, porém, a Urbs informa que “obviamente essa distância não dá para ser mantida, nem com todos sentados”.

A orientação é de que os passageiros não entrem em ônibus que já estiverem cheios. Segundo a Urbs, está sendo mantida uma frota acima da demanda, em cerca de 70% nos dias úteis.

Foto: Colaboração.

Sobre o aumento de ônibus nas linhas, a Urbs informa que vai fazer ajustes na frota, com a substituição de quatro articulados da Linha Circular Sul por biarticulados, os maiores do sistema, que têm capacidade para transportar até 250 pessoas. A mudança ocorre por causa do aumento no movimento gerado pela reabertura de alguns comércios em Curitiba. Por isso, a Urbs poderá fazer novos ajustes se necessário.

Falta paciência?

O presidente da Urbs, Ogeny Pedro Maia Neto, informa que a Guarda Municipal vai passar a orientar os passageiros para evitar aglomerações, a exemplo do que fazem as viaturas nas ruas, principalmente em parques e filas de bancos e lotéricas. Os guardas vão orientar os passageiros a esperar o próximo ônibus quando o primeiro já estiver cheio.

LEIA MAIS – Caminhoneiros e doentes crônicos já podem tomar vacina contra gripe em Curitiba

Segundo Maia Neto, o problema não é a falta de ônibus, mas a falta de paciência das pessoas em esperar o próximo veículo. A ação da Guarda Municipal será de forma orientativa e de conscientização e ainda não tem data para começar.

Problema também na RMC

Registro feito pelo leitor Valdir Bortoloto mostra o ônibus cheio já nas primeiras horas da manhã, por volta das 5h30. Foto: Colaboração.

Empregado em um mercado, serviço essencial segundo decreto do governo do Paraná, Valdir Bortoloto, morador de Campo Largo, na região metropolitana, reclama que faltam ônibus nos primeiros horários da linha Santa Ângela que ele pega há 20 nos para ir trabalhar.

“O ônibus de 5h25 vem sempre cheio. Vem todo mundo de pé. Tem gente com máscara, gente sem. Eu uso para me proteger. Uma coisa boa foi que isolaram o motorista e ninguém fica antes da catraca”, disse Valdir.

Segundo a Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec), órgão do governo do estado responsável por gerenciar as linhas na região metropolitana, o sistema de transporte vem sofrendo mudanças constantes e não existe maneira de prever a demanda antecipadamente.

Dessa forma, explica a Comec em nota, está sendo feito o acompanhamento, bem como ajustes necessários e possíveis. “Ressaltamos a importância de que, sempre que possível, sejam utilizados horários alternativos, pois mesmo que todo o sistema e a demanda sejam normalizados, não conseguiremos atuar da forma ideal que o momento pede”, finaliza a nota da Comec.

Como prevenir a contaminação por coronavírus

  • Lavar as mãos com frequência/ ou utilizar álcool 70%, principalmente antes de consumir algum alimento;
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal;
  • Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca, higienizar as mãos após tossir ou espirrar;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
  • Manter ambientes bem ventilados, evitar contato próximo com pessoas que apresentem sinais ou sintomas da doença;
  • Evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas ou criações;
  • Pessoas com sintomas de infecção respiratória aguda devem praticar etiqueta respiratória (cobrir a boca e nariz ao tossir e espirrar, preferencialmente com lenços descartáveis, e depois lavar as mãos).

Baixe o guia de prevenção para compartilhar!

Imprima esse guia em PDF com informações sobre a prevenção do Coronavírus e outras doenças respiratórias virais: