O verão do “pedágio grátis” no Paraná – pelo atraso na concessão – e da pandemia em queda deve provocar no fim de ano um deslocamento em massa para as praias do Litoral do estado, apesar das dificuldades econômicas e das preocupações sanitárias com o vírus ainda em circulação. Com isso, ressurge a velha preocupação de falta d’água na alta temporada. No entanto, o temor das torneiras secas no Litoral não está tão atrelado à estiagem histórica que assola o estado, mas ao súbito aumento da demanda, até quatro vezes maior do que em períodos fora de temporada.

A prefeitura de Matinhos afirma que não vê risco de faltar água por causa da crise hídrica no estado, visto que a cidade nem chegou a implantar rodízios de abastecimento entre os moradores. Já a prefeitura de Guaratuba admitiu que há preocupação com um eventual desabastecimento, mas não por culpa da crise hídrica. O vilão ainda é o mesmo dos anos anteriores: o aumento repentino no fluxo de turistas durante a temporada de verão. Nesse período, o número de habitantes da cidade triplica.

+ Leia mais: Curitiba pode ter um mega feriado no 7 de Setembro. Entenda

Questionada, a Sanepar não respondeu diretamente sobre o risco de desabastecimento. No entanto, recorreu à matemática para demonstrar que a pressão sobre o sistema é grande e isso exige uso racional por parte de todos. Segundo a companhia, a produção média de água nas praias do Paraná, em períodos fora da temporada, gira em torno de 36,5 milhões de litros por dia. Em épocas de maior demanda, como na virada do ano, por exemplo, pode chegar a 140 milhões de litros, sendo 100 milhões para pronto consumo e 39 milhões de litros como “reserva”.

Assim, a empresa de saneamento reforça o apelo pelo consumo consciente. E pede para que os veranistas não lavem carro nem calçada com água potável, além de desaconselhar o uso das piscinas infantis, um dos grandes vilões do desperdício.

Outros fatores que também contribuem para o consumo elevado, observa a Sanepar, são a alta taxa de ocupação dos imóveis na temporada e o fato de muitas residências terem caixas d’água pequenas.

Prefeituras e Sanepar fazem parcerias contra a falta d’água

Guaratuba e Matinhos informaram que existem ações todos os anos, geralmente entre o fim de novembro e começo de dezembro, para conscientizar a população sobre a necessidade de economizar água durante a temporada. Além disso, os municípios têm uma parceria com a Sanepar, que oferece um reforço na estrutura, para dar conta do salto no consumo de água, principalmente em bairros mais afastados.

Leia mais

>> Justiça determina 25 dias de prisão pra vereador bolsonarista de Curitiba por difamar sindicato

>> O que aconteceu com o Oil Man? Personagem de Curitiba conta porque ficou recolhido

Dentre as medidas adotadas pela companhia para evitar torneiras vazias na temporada de verão 2021/2022, está a instalação de cinco reservatórios modulares de água, do tipo contêiner, em áreas mais distantes dos centros de distribuição. Cada um deles tem capacidade para armazenar 70 mil litros de água.

Os equipamentos são móveis e podem ser reabastecidos por caminhão-pipa quando houver risco de desabastecimento. Além disso, todos possuem um conjunto motobomba, que pressuriza melhor a rede. Na temporada passada, a Sanepar utilizou apenas dois reservatórios, suficientes para atender a demanda, bem abaixo da média, em função da pandemia estar em fase mais crítica.

A companhia também fará a instalação de 29 geradores de energia elétrica, em Guaraqueçaba, Guaratuba, Matinhos, Morretes e Pontal do Paraná. Movidos a óleo diesel, os geradores mantêm o abastecimento mesmo que haja queda no fornecimento de energia.

Web Stories

Novidades!

Veja o que chega na Netflix nesta semana

Boooooo!

Halloween: veja como fazer uma abóbora, maquiagem e fantasias para a festa

Império

Bruna e José Alfredo abrem cofre de Maurílio

Pega Pega

Siqueira afirma que Timóteo é o quarto ladrão do hotel