Menos de uma semana da última fuga registrada, a Penitenciária Central do Estado (PCE) , em Piraquara, Região Metropolitana de Curitiba (RMC) registrou outra nesta segunda-feira (22). Cinco presos que fugiram do local depois de cavar um buraco e usar uma corda improvisada.

Segundo o Departamento de Execução Penal (Depen), da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Administração Penitenciária (Sesp), era por volta das 6h quando seis presos, que estavam numa mesma cela da segunda galeria do bloco 6, fizeram um buraco na parede da cela e, pela tubulação hidráulica, chegaram ao pátio da unidade.

Eles foram vistos por agentes penitenciários, que conseguiram impedir apenas a saída de um deles. Os cinco escalaram o muro e, com a ajuda de uma corda artesanal feita com lençol, ganharam as ruas.

Superlotada, a PCE abriga 1.675 presos, mas tem capacidade para 1.440. Na fuga da semana passada, cinco detentos escalaram o muro para fugir da unidade, também usando corda feita com lençol. Um deles foi recapturado.

Protesto

Segundo o Sindicato dos Agentes Penitenciários do Paraná (Sindarspen), a falta de efetivo tem impedido que os agentes trabalhem direito. “Eles não conseguem sequer revistar as celas como deveriam, porque não tem gente suficiente. Com isso, até o atendimento de advogados e encaminhamento de presos para atendimento médico estão sendo prejudicadas”, disse Vanderleia Pereira Leite, diretora executiva.

Segundo a diretora, uma determinação do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNCP) determina que deveria ter uma média de um agente para cada cinco presos. Hoje, no Sistema Penitenciário do Estado, é um agente para cada 50 presos. Na manhã desta terça-feira (23), os agentes farão um protesto em frente ao Palácio Iguaçu pedindo pela contratação de mais agentes e reivindicando a solução de outros problemas da categoria.