O pronto-atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS) do Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba, fechou na manhã desta quinta-feira (28) por causa da alta demanda para o atendimento de crianças com doenças respiratórias. A lotação é de 100%. Segundo informou o hospital, o fechamento é temporário. A instituição reforçou que o atendimento de convênios na emergência permanece em funcionamento, assim como os leitos.

Segundo o Pequeno Príncipe, a reabertura do atendimento via SUS vai depender da logística de leitos da emergência. A medida que os leitos forem sendo desocupados, com a transferência dos pacientes da emergência para outra ala, será feita uma reavaliação para a reabertura. Não há data e nem horário definido para que isso ocorra.

LEIA TAMBÉM:

>> Vacinação de crianças contra gripe e sarampo neste sábado em Curitiba! Veja locais e horários

>> Número de crianças acima do peso e obesas aumenta no Paraná; saiba as causas e riscos

Em nota, o hospital – que é referência no atendimento infantil de alta e média complexidade – explicou que a medida foi necessária e orienta a população a buscar uma Unidade Básica de Saúde (UPA) em caso de necessidade de atendimento. “O Pequeno Príncipe reforça que o fluxo determinado pelo SUS é de que as famílias busquem a Unidade Básica de Saúde mais próxima quando os riscos à saúde do paciente não são de urgência e/ou emergência. Se for necessário, a própria UBS fará o encaminhamento ao Hospital”, diz a nota. 

O texto ainda reforça que o hospital não é uma unidade de busca direta pela população, mas atua como retaguarda para Curitiba e região metropolitana. “O atendimento de emergência, realizado no Pronto Atendimento, é destinado aos casos de maior gravidade e aos pacientes que necessitam de hospitalização”, finaliza o Pequeno Príncipe.

Aumento de casos de doenças respiratórias 

Como informou a Tribuna na terça-feira (26), os atendimentos de crianças com problemas respiratórios aumentaram nos últimos dias em hospitais e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) de Curitiba. Os casos não são de covid-19, que por sinal teve seus casos ativos elevados no último boletim, e sim de viroses e infecções, mas o alto fluxo da pediatria gerou filas de até 3 horas, em alguns locais.

Já na quarta-feira (27), o alerta da Tribuna foi sobre a falta de medicamentos na capital. O Brasil tem registrado a falta de vários remédios para doenças respiratórias, principalmente da linha infantil, o que inclui antibióticos, analgésicos, antialérgicos e até alguns xaropes. Na rede privada do Paraná também tem sido assim.

Pantanal

Zuleica está preocupada com Marcelo

Instagramáveis

Saiba onde encontrar as lindas cerejeiras em Curitiba

Novidades da Netflix

Volume 2 de Stranger Things 4 e mais séries e filmes chegam nesta semana

Além da Ilusão

Joaquim termina seu noivado com Isadora