Uma avaliação dos números de mortes e internações por coronavírus (covid-19) em Curitiba, na faixa etária a partir dos 70 anos em diante, indica uma queda nos registros associados à vacinação dos idosos que tomaram a segunda dose da vacina.

A compilação foi feita pelo médico José Rocha Faria Neto, do Centro de Epidemiologia e Pesquisa Clínica da PUCPR, com base nos dados coletados dos boletins de saúde da pandemia divulgados pelo poder público. O estudo analisou a mortalidade entre os idosos que moram em Curitiba um mês antes do começo da vacinação, em dezembro de 2020, e comparou os números com as ocorrências dos últimos 30 dias, a partir de 13 abril deste ano. Os registros caíram de 50% para 42,6%. 

+ Leia mais: Por engano? Vacinas contra gripe são furtadas em posto de saúde da região de Curitiba

De acordo com Faria Neto, em dezembro de 2020, as pessoas com mais de 90 anos representavam 5,9% do total de mortes na capital. Agora, até 13 de abril, o índice caiu para 2,12%. Já entre os idosos de 80 a 89 anos, antes o índice estava em 16,7%, agora caiu para 14,2%. E o índice já começa a apresentar uma leve queda entre as pessoas de 70 a 79 anos. Antes, os números em porcentagem de óbitos eram 27,7% e agora caiu para 26,3%.

“Não há outra avaliação que indique que não seja a ação da vacina, pois de dezembro para cá, o número geral dos óbitos em Curitiba teve um aumento de 140%. Mas nessas faixas etárias mencionadas não. Pelo contrário, houve queda e os idosos tomaram a segunda dose da vacina”, fundamenta o médico.

A compilação de dados, segundo Faria Neto, não é algo complexo, apenas leva em conta a comparação com os números da pandemia divulgados. “Vamos seguir com esse monitoramento para deixar claro à população que a vacinação funciona. É importante que isso seja feito para que fortaleça a campanha de vacinação”, completa ele, destacando que a soma das porcentagens das três faixas etárias já indica uma queda significativa nas mortes por covid-19. “Em dezembro, antes da vacina, 50% do total de mortes estavam concentradas nas pessoas a partir dos 70 anos. Agora, esse índice caminhou para 42,6%”.

+ Veja também: Preço do botijão de gás chega a recorde histórico no país; Congresso avalia programa social

Em todo o Paraná, segundo a Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), também houve diminuição na internação de idosos depois que a vacina chegou. “Hoje, nas nossas UTIs, 55% dos paranaenses internados nas Unidades de Terapia Intensiva têm mais de 60 anos. Esse número já foi de quase 80%. Então, já é um pouco o resultado da vacinação”, disse o secretário estadual de Saúde, Beto Preto, ao jornal Boa Noite Paraná, da RPC.

O estado completa três meses do início da campanha de vacinação contra o coronavírus (covid-19) neste domingo (18). Foi exatamente em 18 de janeiro de 2021 que chegaram as primeiras doses de vacina ao Paraná.

Segundo os últimos números, mais de 1,36 milhões de paranaenses já foram vacinados, contando a primeira e a segunda dose. A maioria dos vacinados foram profissionais de saúde e grupos de idosos. Faltam vacinar 2,71 milhões de pessoas.