A Polícia Militar (PM) do Paraná promete uma maior atenção aos manifestantes que pretendem se reunir a partir das 14 horas, neste domingo (07), na Praça Santos Andrade, Centro de Curitiba. Policiais da tropa de choque e até a utilização de aeronave estão previstas pelas autoridades de segurança que pretendem evitar novos casos de vandalismo pela cidade. Na última segunda-feira (1), vândalos depredaram prédios públicos e privados, destruíram lixeiras e até botaram fogo na bandeira nacional ocasionado a prisão de um adolescente . A ordem é não dar moleza e uma das estratégias é revistar mochilas de manifestantes. Para o domingo, a organização da manifestação “Vidas Negras Importam e Fora Bolsonaro” espera a participação de mil pessoas, que já confirmaram presença pelas redes sociais.

+Leia mais! Futebol sem contato é novidade nas quadras de Curitiba durante a pandemia de covid-19

Com a previsão desta quantidade de pessoas nas ruas, o setor de inteligência da PM definiu que mais policiais estarão acompanhando o trajeto dos manifestantes até o Palácio Iguaçu, sede do Governo Estadual. No começo da semana foram 200 policiais, um deles, inclusive, acabou ferido, e a tendência é que para o domingo o número venha a aumentar visto os acontecimentos do começo da semana.

O número exato não é divulgados pela assessoria de imprensa da Polícia Militar, mas o coronel Hudson Leôncio Teixeira, garantiu que isto vai acontecer. “ Nosso planejamento é pautado na avaliação de risco e para o domingo, a nossa inteligência vai avaliar o número de pessoas que estarão na manifestação, mas posso garantir que o efetivo será maior para evitar qualquer surpresa ou desconforto para a sociedade”, disse o coronel.

Policiais à paisana

Como acontece em grandes manifestações, policiais estarão infiltrados próximos aos participantes neste domingo. Caso percebam alguma movimentação estranha, estes policiais irão entrar em contato com viatura operacional ou ostensiva, e essas pessoas serão abordadas, identificadas e responsabilizadas pelo ato que vierem a cometer.

Outra estratégia é a fiscalização de mochilas que podem armazenar qualquer tipo de objeto que pode ser utilizado em um possível confronto ou ato de vandalismo. “A PM está preparada para dar segurança para aqueles que não forem participar de qualquer manifestação e também aqueles que estarão nesses atos. Se por ventura houver excesso, estas pessoas serão responsabilizadas de imediato. Importante salientar que as pessoas que se aproximarem dos pontos de manifestação, principalmente na Praça Santos Andrade, e estiverem com mochilas, objetos que possam ser utilizados como arma ou em atitude suspeita, poderão ser revistadas pela Polícia Militar”, afirmou o coronel Hudson.

A ação também vai contar com o auxílio da Guarda Municipal de Curitiba, que irá colaborar no fornecimento das imagens das câmeras de monitoramento. “Todas as câmeras estão à disposição e irão ficar em um único complexo, onde serão captadas as imagens, que irão servir posteriormente para identificação e responsabilização de pessoas que cometam algum crime ou contravenção”, explicou o coronel Hudson.

E o movimento?

Segundo a PM, foi feito durante a semana um convite para que os organizadores da manifestação participassem de uma conversa. No entanto, as lideranças não participaram deste bate-papo. “Nós chamamos as lideranças desses manifestantes para que viessem para uma reunião conosco nesta semana e eles não vieram. Então fizemos levantamentos por meio do Setor de Inteligência e, se houver alguma alteração no trajeto, o plano será readequado para essa operação”, finalizou o coronel.


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?