A Polícia Civil estourou uma festa clandestina em plena pandemia de coronavírus em uma chácara de Colombo, região metropolitana de Curitiba, na noite de sábado (16). A festa tinha quase 200 pessoas, em pleno período em que as autoridades de saúde pedem para a população evitar aglomerações, o que facilita a transmissão da covid-19

A operação foi comandada pela Delegacia de Repressão aos Crimes Contra Saúde (Decrisa) com o apoio de policiais do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) e da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Os organizadores podem responder por incitação ao crime, associação criminosa e infração de medida sanitária preventiva.

VIU ESSA? – Prêmio de R$ 101 milhões da Mega acumulada saiu para Curitiba. Veja qual lotérica!

Há pouco mais de uma semana, outra festa clandestina com cerca de 100 pessoas no bairro Campo Comprido, em Curitiba, está sendo investigada pela Polícia Civil. Quatro pessoas foram indiciadas pela Decrisa neste caso. Imagens da festa foram publicadas nas redes sociais, gerando revolta e indignação de quem vem respeitando a quarentena. Outras duas festas clandestinas em Curitiba em plena pandemia também são alvos de inquéritos policiais.

LEIA TAMBÉM Motorista bêbado dirige na contramão e deixa caminhão atravessado na BR-277 em Curitiba

Em Prudentópolis, na região Centro-Sul do Paraná, outra festa com 150 convidados está causando preocupação. Após o evento há pouco mais de uma semana, uma das convidadas que mora em Curitiba postou nas mídias sociais que testou positivo para coronavírus. A festa também levou a Polícia Civil de Prudentópolis a abrir inquérito. A Secretaria Municipal de Saúde do município tenta identificar e monitorar todas as pessoas que estiveram na festa.

Como denunciar

Quando se trata de um estabelecimento comercial, a Secretaria Municipal de Urbanismo da prefeitura tem a responsabilidade de fiscalizar o comércio e os serviços quanto ao cumprimento das normas de distanciamento social determinadas pela Secretaria de Saúde na pandemia. Neste caso, a população pode denunciar via Central156 e como punição, o local pode até perder o alvará de funcionamento. Foi o que aconteceu no último fim de semana com duas academias e duas tabacarias fechadas por não respeitarem o decreto de prevenção do coronavírus.

Porém, quando se trata de um caso de aglomeração em espaço privado, como uma residência, a investigação cabe à Polícia Civil.

Quem promove festas clandestinas e aglomerações durante a pandemia pode responder por crime contra a saúde, cuja pena pode resultar em detenção de até quatro anos de reclusão. As denúncias podem ser feitas pelo telefone do Disque Denúncia do Governo do Estado (181) ou pela central da Polícia Militar (190).