A Polícia Civil do Paraná apreendeu mais de 200 mil comprimidos de ecstasy no início desta semana em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Na residência em que a droga foi encontrada funcionava um laboratório para a produção e comercialização da substância. Três homens suspeitos de distribuir a droga para diversos estados do país foram presos em flagrante durante ação.

A Polícia também realizou buscas em outros endereços relacionados aos suspeitos, nos municípios de Fazenda Rio Grande e Piraquara, ambos na RMC. Além dos comprimidos de ecstasy, também foram apreendidos papéis de LSD e MD em sua forma bruta e porções de maconha. Dois veículos utilizados para realizar a distribuição das drogas foram apreendidos. 

+ Leia mais: Farmacêutico dá dicas de como evitar a compra de álcool gel falsificado

No “laboratório de ecstasy”, em São José dos Pinhais, os policiais civis também encontraram diversos produtos químicos, maquinários e demais insumos para a produção da droga sintética. 

O delegado responsável pela operação, Rodrigo Brown, acredita que essa tenha sido a maior apreensão de comprimidos de ecstasy, de uma só vez, do Brasil. “Ainda é preciso confirmar, mas possivelmente essa é a primeira vez que se apreende tantos comprimidos de ecstasy de forma única. Um prejuízo enorme para o tráfico de drogas”, diz. 

O valor estimado do prejuízo para os traficantes é de R$ 10 milhões.

O trio já era alvo de investigação desde dezembro de 2019, quando a Polícia descobriu que uma pessoa de Santa Catarina viria até a capital paranaense buscar uma grande quantidade de ecstasy. Após troca de informações, a Polícia Civil de Santa Catarina conseguiu abordar o suspeito que realizava o transporte da droga para o estado vizinho e apreender 25 mil comprimidos de ecstasy. 

+ Veja também: Rifa de um Fusca 1972 vai ajudar piá de Curitiba a ter uma vida melhor

Desde então, a a Polícia do Paraná realiza intensas investigações com o intuito de desarticular a organização criminosa. O trio foi autuado em flagrante por tráfico de drogas e associação para o tráfico de drogas. Entre os suspeitos estava o suspeito de coordenar a produção e distribuição da droga.