A Polícia Civil indiciou por homicídio culposo (sem intenção de matar) a garçonete do bar no Centro de Curitiba em que o médico Leonardo Matheus Janeri Barbosa, de 24 anos, morreu queimado em um acidente com álcool para acender lareiras de mesa. O caso ocorreu em 4 de novembro, quando Leonardo, recém formado em Medicina, comemorava com amigos os primeiros plantões da carreira.

LEIA TAMBÉM – “Lorde das Trevas” é preso em Curitiba. Ele usava um pitbull pra amedrontar vítimas

Inquérito concluído pela Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) aponta que houve imprudência da funcionaria do restaurante. A lareira da mesa onde estavam Leonardo e os amigos se apagou. Para reascender, a garçonete veio com um galão de álcool até a mesa e não com uma pequena dose só para a lareira. Sem querer, a funcionária derrubou o líquido inflamável, que atingiu as outras duas lareiras acesas na mesa, gerando uma explosão que atingiu Leonardo e um dos amigos dele. Segundo a Polícia Civil, a garçonete não era responsável por acender as lareiras.

Leonardo e o amigo foram encaminhados ao Hospital Evangélico Mackenzie, referência no tratamento de queimaduras em Curitiba e onde Leonardo se formou como médico poucos meses antes. O amigo teve queimaduras de primeiro e segundo graus no braço. Leonardo teve 70% do corpo atingido pelo fogo e faleceu dois dias depois, em 6 de novembro.

LEIA AINDA – Morte de jovem médico em acidente com fogo reforça alerta para uso de inflamáveis

Além das oitivas com testemunhas, as equipes da DHPP avaliaram imagens de câmeras de segurança do restaurante, se embasaram na perícia da Polícia Científica e contaram com apoio do Corpo de Bombeiros para concluir o inquérito.