A polícia acredita ter elucidado o assassinato do jovem Cuarassy Caauã Weigert, 18 anos, ocorrido na noite de 20 de agosto, no Cajuru. Suspeitos de terem sido os autores do crime, Edenilson da Silva, 19 anos, Éder de Oliveira Veloso, 20, e Ademir da Silva, 25, foram presos no dia seguinte, em Campo Magro, por porte ilegal de arma e receptação. Porém, após serem interrogados pelos policiais que investigavam o homicídio, foi apurado que o trio estaria envolvido com a morte de Cuarassy.

“Edenilson confessou ter feito os disparos, com a mesma arma apreendida em Campo Magro. Também afirmou que, na noite do crime, estava na companhia de Ademir e Éder”, disse Carlos Alberto do Amaral, superintendente do 6.º Distrito Policial (Cajuru). Embora Ademir e Éder neguem o envolvimento, as informações obtidas pela polícia são que os dois teriam apanhado Edenilson no terminal da Fazendinha, em um Golf preto. Dali foram até o Cajuru à procura de Cuarassy.

Tiro

Reprodução
Éder e Ademir estariam junto, quando Cuarassy foi baleado.

A vítima foi baleada na Rua Capitão Guilherme Bianchi, onde morreu. “Edenilson alegou que o crime foi motivado porque Cuarassy seria ‘dedo duro’, porém acreditamos que o jovem, que era usuário de drogas, estivesse devendo para um deles”, ressaltou Amaral.

A polícia já solicitou os mandados de prisão dos três acusados, que permanecem presos, respondendo por porte ilegal e receptação. Ainda é aguardado o resultado do laudo que irá comprovar se o revólver apreendido foi realmente a arma usada no crime. De acordo com o superintendente, dos três presos, apenas Ademir contava com antecedentes criminais. “Ele tem diversas passagens por furtos, em várias delegacias. Além disso, é foragido da Colônia Penal Agrícola”, concluiu.