Mais um vez, as imediações de uma casa noturna é palco para confusões e morte. Por volta das 5h30 de ontem, depois de um tiroteio motivado, supostamente, por ciúmes, um policial civil morreu, duas pessoas ficaram feridas e um homem que também se envolveu no tiroteio e não foi identificado está foragido.

Por haver um policial civil envolvido no crime, o Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) esteve no local, mas o caso será investigado pela Delegacia de Homicídios (DH).

Segundo testemunhas, o policial civil Gerson Francisco Cornélio da Silva, 42 anos, o “Gersinho”, lotado na Delegacia de Vigilâncias e Capturas, estava no Rancho Brasil, na Avenida Comendador Franco, no Guabirotuba, acompanhado de Flávia Molina Soares, 21.

Ela é ex-namorada do agente penitenciário Herculano Neto, 28, que inconformado com a separação, ameaçou o policial várias vezes. Por volta das 4h, “Gersinho” e Flávia deixavam a casa noturna quando viram o carro de Neto parado no estacionamento.

Por isto, resolveram ficar mais um pouco na casa para evitar confusão. Cerca de uma hora e meia depois, quando eles novamente foram até a portaria, foram surpreendidos por Neto, já pronto para atirar.

“Gersinho” também sacou sua arma e houve tiroteio. O policial foi atingido com sete tiros na cabeça, dois na barriga e um no peito e morreu na hora. Neto foi ferido com um tiro em cada braço e Flávia com um tiro no braço direito.

Os feridos foram levados pelo Siate ao Hospital Cajuru, onde o agente recebeu voz de prisão e permanece internado sob escolta policial. Ele será levado direto à delegacia, assim que tiver alta.

Muro

O que chamou a atenção dos policiais é que algumas pessoas confirmaram que além do confronto entre o policial civil e o ex-agente penitenciário, outro homem, desconhecido, e que fugiu do local, também atirou.

Segundo alguns freqüentadores da casa, o homem ficou escondido atrás de um muro e deu mais de 15 tiros com uma pistola calibre nove milímetros. As cápsulas foram encontradas nos dois lados do muro. O que a polícia não sabe exatamente é de que lado ele estava, se do policial ou de Neto.

Quem tiver detalhes do crime, pode ligar anonimamente para a DH: (41) 3361-1400.