A Avenida Vicente Machado, a Alameda Carlos de Carvalho e a Praça da Espanha serão os primeiros locais de Curitiba a receber o programa Balada Protegida. O prefeito Rafael Greca determinou que sejam feitos estudos para uma parceria entre a Prefeitura e a Associação de Bares e Restaurantes (Abrasel) para implantar a Balada Protegida nestes locais, que têm grande movimento de pessoas à noite.

Nesta quarta-feira (18) Greca se reuniu com donos de bares, restaurantes, lanchonetes e casas noturnas que funcionam na Vicente Machado. Os comerciantes apresentaram ao prefeito o projeto Nós Somos Legais, da Abrasel, que reúne estabelecimentos regularizados de Curitiba.

“Não sou contra a vida noturna, eu gosto. Mas temos que fiscalizar para evitar que aconteçam tragédias como a da boate Kiss”, disse Rafael Greca, sobre o incêndio que matou 242 pessoas na casa noturna de Santa Maria (RS), em 2013.

O prefeito ouviu dos empresários sugestões para melhorar as Ações de Fiscalização Integrada (Aifus). Neste ano já foram feitas duas Aifus, com o fechamento de oito estabelecimentos por problemas com alvará de funcionamento.

trajano (7)
A segunda fiscalização ocorreu na noite da última terça-feira, no São Francisco. Foto: Pedro Serápio.

“Não queremos atrapalhar o comércio, mas a cidade não pode ser uma anarquia. Precisamos de organização”, disse o prefeito.

Ideias

Na reunião foram discutidas algumas ideias para serem implantadas na Balada Protegida, como horário de fechamentos dos bares, que passariam a funcionar até às 2 horas.

Outra ideia a ser estudada é a colocação de mais banheiros públicos na região, para acabar com casos de pessoas urinarem na rua. “A cidade tem que ser limpa”, afirmou o prefeito. O nível de decibéis também será fiscalizado e serão aplicadas multas em caso de infração.

Ambulantes

A principal reclamação dos proprietários de bares é sobre o “terceiro turno” da Vicente Machado. Na hora em que os estabelecimentos fecham os ambulantes continuam vendendo bebidas, alimentos e produtos ilícitos, como drogas. Isso acaba gerando tumultos e muitas pessoas continuam na rua por mais tempo, mesmo com os bares fechados.

Uma das ideias é que a Guarda Municipal fique mais presente na região, com rondas e uma viatura nas proximidades dos bares. Para acabar com a informalidade, a ideia é convidar os ambulantes que vendem alimentos e bebidas de forma clandestina para que procurem a Prefeitura e se regularizem. Da forma como atuam não pagam impostos e não há nenhuma segurança sobre a procedência dos produtos que vendem.

A presidente da Abrasel, Jilcy Rink, afirmou que a reunião foi positiva. “Nossas expectativas foram atendidas, eu já conheço a maneira do Rafael Greca de administrar. Saberia que entraríamos em um acordo e que os nossos interesses são comuns”, afirmou Jilcy. “Também queremos uma cidade melhor, mais limpa, organizada e com mais turistas, todos saem ganhando. A balada Protegida também é do nosso interesse”, definiu.

Também participaram da reunião os secretários de Defesa Social e Trânsito, Algacir Mikalovski, e de Urbanismo e Assuntos Metropolitanos, Marcelo Ferraz Cesar, e a procuradora Geral do Município, Vanessa Volpi Bellegard Palacios.