Depois de ser noticiado, mais uma vez, que a Central de Flagrantes estava explodindo com a quantidade de presos na carceragem improvisada, o Departamento Penitenciário do Paraná (Depen) resolveu agir. Nesta sexta-feira (18), 115 dos 140 presos que ocupavam um espaço inapropriado foram transferidos para o sistema penitenciário.

A medida foi tomada depois que, nesta quinta-feira (17), o Conselho da Comunidade de Curitiba denunciou a situação de superlotação. Segundo o conselho, a Central de Flagrantes tem sido o ponto mais grave das cadeias de Curitiba.

Conforme a denúncia, onde deveria haver oito presos (no máximo), 140 detentos ocupavam o espaço adaptado, pois não há sequer grades para manter a segurança dos policiais que trabalham na delegacia. Nos 30 metros quadrados, além da sujeira, os presos ficavam todos acorrentados, pois há sempre o risco iminente de conseguirem escapar pela porta de vidro que os separa do resto da unidade policial.

Além do problema de superlotação, os policiais enfrentam ainda o desvio de função. Conforme noticiado pelo jornal Gazeta do Povo, há somente dois agentes carcerários para o cuidado dos presos e, no restante do tempo, quem cuida são guardas municipais e policiais civis.

Carceragem da Delegacia de Furtos e Roubos é desativada por determinação judicial